Samu faz campanha contra 'brincadeira' que tem ferido crianças

Ponta Grossa

17 de fevereiro de 2020 15:40

Da Redação


Relacionadas

Planicon traz alternativa para manter atendimentos médicos

Procon pede cautela sobre acordos de adiamento de dívidas

BRDE libera R$ 850 mi para investimentos no Paraná

Em PG, presos do ‘grupo de risco’ cumprirão pena em casa
SindServ quer adicional para servidores que atuam contra Covid-19
Cuidados com a saúde ganham reforço nas obras
PG pode contratar pessoas físicas para atendimento na Saúde
PUBLICIDADE

Vídeo foi compartilhado nas redes sociais e conscientiza crianças e adolescentes sobre o tema

Equipes do Samu em Ponta Grossa usaram as redes sociais para divulgar um vídeo de conscientização (clique no player acima para assistir). O vídeo conscientiza crianças e adolescentes sobre uma brincadeira que viralizou entre jovens em vídeos nas redes sociais nos últimos dias tem potencial para terminar de maneira trágica.

O desafio da rasteira ou desafio do quebra-crânio, consiste em derrubar uma pessoa enquanto ela pula. A prática tem preocupado pais e professores e, segundo a médica pediatra Loretta Campos, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, pode causar graves lesões. 

O vídeo trata da também conhecida “brincadeira do pulo”. “Pessoal, quero dar um alerta pra vocês.. essa brincadeira que está rolando nas redes sociais é muito perigosa”, diz um dos membros do Samu. “Quem é amigo cuida”, complementa outro profissional.

Avaliação médica

"A brincadeira oferece muito perigo porque ficam duas pessoas de lado, falam para a pessoa pular e dão uma rasteira. Ou seja, a pessoa pegou impulso, tirou o equilíbrio do chão e cai com o peso do corpo dela totalmente no chão”, conta a médica.  Loretta acrescenta que a queda pode levar a fraturas das vértebras, inclusive com lesão cervical, e traumatismo craniano.

"Pode causar um desmaio, como até vimos em vídeos que circulam na internet, mas pode causar também um edema [inchaço] cerebral e até mesmo morte cerebral." Até mesmo uma superfície macia, como um tapete, oferece risco, segundo a especialista. "Se cair de mau jeito e lesionar a [coluna] pode ficar tetraplégico", médica. 

PUBLICIDADE

Recomendados