Obras devem transformar PG em ‘hub de energia’

Ponta Grossa

18 de fevereiro de 2020 23:00

Da Redação


Relacionadas

Planicon traz alternativa para manter atendimentos médicos

Procon pede cautela sobre acordos de adiamento de dívidas

BRDE libera R$ 850 mi para investimentos no Paraná

Em PG, presos do ‘grupo de risco’ cumprirão pena em casa
SindServ quer adicional para servidores que atuam contra Covid-19
Cuidados com a saúde ganham reforço nas obras
PG pode contratar pessoas físicas para atendimento na Saúde
Projeto reforça sistema elétrico em todo o estado do Paraná Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeto reforça sistema elétrico em todo o estado do Paraná

A Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (Acipg) recebeu, na última reunião da diretoria, o coordenador de obras da Tabocas Participações e Empreendimentos S.A., Lucas José Oliveira, para discussões a respeito do projeto ‘Gralha Azul’, que deve reforçar o sistema elétrico de Ponta Grossa. 

A empresa é prestadora de serviço da Engie Brasil, que venceu do leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e é a responsável pela execução das obras.

Oliveira conta que o ‘Gralha Azul’, é o primeiro projeto de linhas de transmissão da Engie no Brasil. “É um projeto de reforço do sistema elétrico no estado do Paraná, exclusivamente, atendendo as necessidades da indústria”, relata o coordenador, que salienta que a Tabocas é responsável por 17% das redes de transmissão construídas no país.

De acordo com Oliveira, ao todo, serão mais de mil quilômetros de linhas de transmissão que devem percorrer 26 municípios paranaenses e gerar de mais de 3 mil empregos diretos na região somente durante a fase de construção. Além disso, o projeto pretende movimentar mais de R $ 2 bilhões em investimentos. 

“Ponta Grossa será um hub, um distribuidor de energia. Ao todo, serão construídas dez subestações. A ligação entre elas totaliza mil quilômetros e as obras devem se estender por 23 meses”, aponta.

O coordenador da Tabocas garante que, após a conclusão das obras, o suprimento de energia no Paraná alcançará uma nova era e que as obras movimentarão a economia dos Campos Gerais, considerando que 30% da folha de pagamento fica na cidade em que a empresa estiver instalada. “Parte da mão de obra é especializada e estes não se encontram aqui. Porém, outras funções como motorista, técnico, servente e operador, iremos buscar aqui na região”, relata Oliveira. Além de prestigiar a mão de obra local, serão diminuídos os custos com alojamento.

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados