Morte a pauladas foi provocada por briga entre irmãos

Ponta Grossa

21 de fevereiro de 2020 10:17

Da Redação


Relacionadas

Eleição municipal pode ser dividida em dois dias

Capes aprova Mestrado em Direito da UEPG

Vacinação Drive Thru é cancelada devido à chuva

Mãe e filho potencializavam o crime vendendo drogas em PG
Amigos pedem ajuda para sepultar o segurança ‘Ursão’
Máscaras com estampas religiosas fazem sucesso em PG
Temporal deve chegar em PG no fim da tarde
Irmãos discutiram na noite de quinta-feira e um deles foi morto a pauladas pelo outro Foto: Márcio Lopes/aRede
PUBLICIDADE

Ao contrário do que foi divulgado anteriormente, confusão entre familiares que terminou com morte de homem a pauladas envolveu irmãos

Foram revelados mais detalhes sobre o homicídio registrado na noite desta quinta-feira (20) na rua José Kalinoski, no bairro Contorno, em Ponta Grossa. Ao contrário do que tinha sido divulgado pelas autoridades, relatando que um homem tinha sido morto a pauladas pelo cunhado, o caso na verdade envolveu dois irmãos. A informação foi repassada ao portal aRede por uma testemunha do crime.

O relato dessa pessoa, que pediu para não ser identificada, indica que a esposa do suspeito procurou ajuda num estabelecimento comercial da região. Ela pediu o celular emprestado para ligar para a polícia. “Ela dizia que o marido dela tinha matado o ‘Rael’ a pauladas, não quisemos nos envolver por medo, mas ligamos para a polícia para eles virem aqui resolver isso”, disse o comerciante. “Eles eram irmãos e o que morreu veio pra cá pra visitar a família”, completa.

Ainda conforme o comerciante, o autor do crime teria inclusive ligado para equipes de socorristas informando que tinha agredido o irmão. “Ele nem tentou fugir, ficou lá sentado esperando a viatura e foi preso”, conta.

Até a publicação desta matéria, a identidade de vítima e suspeito não tinham sido confirmadas pelas autoridades. O corpo do homem de 32 anos que foi identificado como ‘Rael’ pela esposa do suspeito foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Ponta Grossa. O caso segue sob investigação da Polícia Civil e não foram divulgadas informações sobre motivação.

PUBLICIDADE

Recomendados