PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Programa garante a proteção de crianças e adolescentes

Ponta Grossa

29 de fevereiro de 2020 19:10

Gabriel Sartini


Relacionadas

Dupla provoca incêndio após confusão em bairro de PG

Homem é morto com oito tiros na Vila Romana, em PG

Motociclista é encaminhado ao PSM após grave acidente em PG

PCdoB de Ponta Grossa elege sua Direção Municipal
Mais de 10,5 mil vacinas contra covid são aplicadas em ação
Briga generalizada no Buenos Aires resulta em dois feridos
Missa de 7º dia da morte de Giuliana ocorre neste domingo
O Criança e Adolescente Protegidos realiza atendimentos em escolas e unidades de socioeducação do Paraná Foto: Imagem Ilustrativa : Divulgação Agência Estadual de Notícias
PUBLICIDADE

Objetivo do ‘Criança e Adolescente Protegidos’ é combater o desaparecimento e favorecer o direito à cidadania


Desde 2016, estudantes de escolas estaduais e municipais têm o direito de participarem do programa Criança e Adolescente Protegidos. Lançado originalmente como projeto-piloto pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) em parceria com as secretarias de Estado da Segurança Pública e da Justiça, Família e Trabalho, ele foi expandido para todo o Paraná por meio do repasse de recursos ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente em agosto do ano passado.

O programa prevê a coleta das impressões digitais dos alunos das instituições públicas de ensino e de adolescentes que cumprem medidas socioeducativas para emissão de carteiras de identidade, com uso da biometria.

Para o TJPR, o programa permite reforçar a rede de segurança pública nos crimes que têm crianças e adolescentes como vítimas, como é o caso da prostituição infanto-juvenil, já que criminosos utilizam documentos falsos de pessoas com mais de 18 anos para aliciar os menores. Além disso, a base de dados permite a identificação e localização de crianças sequestradas ou desaparecidas – como as famílias só têm registros fotográficos das crianças, a emissão de alertas ficava prejudicada.

Em 2015, o Programa recebeu a primeira colocação no XII Prêmio Innovare, na Categoria Tribunal, uma das mais importantes premiações da Justiça Brasileira. O sucesso do Programa, em ambas as frentes desenvolvidas, e a relevância social da iniciativa motivou o encaminhamento de proposta legislativa por parte do Poder Executivo, a qual passou pela aprovação unânime da Assembleia Legislativa, até a sanção da Governadora na última semana.

O Programa foi idealizado pela desembargadora Lidia Maejima, 2ª Vice-Presidente do TJPR, como uma extensão do trabalho “Impressão Digital – Combate à Impunidade”, de 1991, de autoria conjunta com o Promotor de Justiça Carlos Bachinski, que originou alguns Projetos de Lei em âmbito federal, culminando na edição da Lei Federal nº 9.454/97, que implantou o Registro de Identidade Civil (RIC) no país.


Programa ganhou prêmio nacional no ano de 2015

Como fruto do desenvolvimento desta ideia, a identificação biométrica proposta foi encampada de maneira inicial pelo Tribunal de Justiça do Paraná, por intermédio da 2ª Vice-Presidência. O projeto piloto da iniciativa foi lançado no ano de 2014. Posteriormente, como forma de reconhecimento à importância do programa, firmou-se uma parceria com o Governo do Estado do Paraná, a fim de fortalecer o desenvolvimento do projeto. A partir do acordo, o alcance da iniciativa aumentou significativamente. No ano de 2015, o Programa recebeu a primeira colocação no XII Prêmio Innovare, na Categoria Tribunal, uma das mais importantes premiações oferecidas pela Justiça Brasileira.

PUBLICIDADE

Recomendados