PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Vereador de PG quer suspensão de tarifas de água e luz

Ponta Grossa

18 de março de 2020 11:41

Da Redação


Relacionadas

Câmeras flagram acidente em avenida; veja vídeo

Homem recebe ‘voadora’ na área central de PG

PG recebe repasses de quase R$ 150 mi do Estado neste ano

Simepar alerta para geada em PG nesta sexta-feira
Homens são detidos após furto em loja na Vicente Machado
Advogada de PG é ‘espionada’ em banheiro de posto
Albergue de PG recebe o nome Maria Isabel Ramos Wosgrau
Proposta será enviada ao governado Ratinho Junior nesta quarta-feira Foto: Kauter Prado/CMPG
PUBLICIDADE

Geraldo Stocco (REDE) enviará ofício ao governador solicitando que cobranças da Sanepar e Copel sejam suspensas por 30 dias

O vereador Geraldo Stocco (REDE) enviará na tarde desta quarta-feira (18) um ofício ao governador Ratinho Junior (PSD) cobrando a suspensão das cobranças de água e luz no Paraná. Além disso, o vereador pedirá ainda que o corte no fornecimento destes mesmos insumos também seja interrompido. No documento, Geraldo também pede que os pagamentos sejam normalizados a partir de um financiamento em cinco parcelas.

Na visão de Stocco, a medida se faz necessária diante dos problemas causados pela pandemia de Covid-19 também no setor econômico. Para o vereador, a diminuição da circulação de pessoas trará consequências diretas e imediatas na economia. "Os pequenos comércios serão aqueles que mais vão sofrer e precisamos pensar nessas pessoas agora", afirmou.

Para Stocco, as duas medidas propostas se fazem necessárias diante dos problemas que a economia já enfrenta e ainda enfrentará diante da quarentena necessária para conter o vírus. "Peço que o governador tome essas ações em companhias que prestam serviços públicos e tem parte do capital pertencente ao Estado do Paraná, como Sanepar e Copel", afirmou Stocco.

O vereador salienta ainda que a suspensão dos cortes no fornecimento de água e luz se faz necessário diante do cenário de pânico econômico. "Muitas vezes o sujeito que está para ter a luz ou a água cortada é aquele trabalhador informal que vende produtos na rua e que agora, com as ruas cada vez mais vazias, não tem para quem vender e não vai conseguir recursos para o básico", salienta Geraldo.

Stocco defende ainda que, por mais que a Sanepar e Copel tenham capitais privados, as medidas se fazem necessárias por serem de interesse público. "Essas duas empresas contam com capital privado, mas o que vemos agora é uma situação em que o Estado brasileiro precisa intervir para garantir o mínimo à população, especialmente a mais carente", pondera o parlamentar.

O ofício foi enviado diretamente ao gabinete do governador, no Palácio do Iguaçu em Curitiba. "Quero tentar uma videoconferência com algum representante do governo para salientar a importância de tomarmos essa medida o quanto antes", destacou Stocco.

Informações assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados