Primeiro infectado por coronavírus em PG está ‘estável’

Ponta Grossa

21 de março de 2020 18:57

Fernando Rogala


Relacionadas

Planicon traz alternativa para manter atendimentos médicos

Procon pede cautela sobre acordos de adiamento de dívidas

BRDE libera R$ 850 mi para investimentos no Paraná

Em PG, presos do ‘grupo de risco’ cumprirão pena em casa
SindServ quer adicional para servidores que atuam contra Covid-19
Cuidados com a saúde ganham reforço nas obras
PG pode contratar pessoas físicas para atendimento na Saúde
Condição foi detalhada por Rodrigo Manjabosco Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Secretário adjunto de saúde em Ponta Grossa acredita que quadro do paciente será leve, sem complicações 

O secretário adjunto de saúde, Rodrigo Manjabosco, gravou um vídeo, na tarde deste sábado (21), detalhando o primeiro caso suspeito de coronavírus em Ponta Grossa. Ele reitera o resultado do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), e confirmou que se trata de um homem, que há alguns dias esteve em outro país. Embora não tenha detalhado nomes ou a idade do paciente, para preservar a identidade e manter a segurança do mesmo, informou que se trata de um jovem, e que apresenta quadro estável, sem complicações.

“É um paciente que está estável, até o momento, e sua condição de saúde não teve piora. Ele é jovem, então, com isso, acreditamos que o quadro dele será leve”, reforçou Manjabosco. Além disso, o médico relatou que o primeiro contaminado foi orientado pela equipe e segue monitorado.

As pessoas com quem ele teve contato agora passam ao grupo de mais de 100 monitoradas. “Sempre que fazemos o monitoramento dos pacientes suspeitos, fazemos também de todos os seus contatos. É uma conduta que fazemos assim que o paciente seja inserido no quadro de suspeitos”, completou.

A confirmação do primeiro caso traz um momento de alerta para o município. “É importante entender que esse caso específico traz, para nós, um momento do monitoramento com todos os pacientes. É importante as pessoas entenderem a seriedade desse cenário, mas compreender que é nosso papel tomar as atitudes para impedir a transmissão dessa doença”, indicou Manjabosco.

 

PUBLICIDADE

Recomendados