PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Unimed PG investiga eficácia da esterilização de máscaras

Ponta Grossa

17 de abril de 2020 22:30

Da Redação


Relacionadas

Operação em PG encontra dois estabelecimentos abertos

Acidente envolve caminhão de empresa e veículo em PG

Prefeitura de PG sinaliza para compra de vacinas

Câmara Municipal de PG é vítima de Fake News
Atendimento de pacientes com sintomas respiratórios ampliado
Procon notifica postos sobre aumento antecipado em PG
Sessões da Câmara estão suspensas nesta semana
Estudo verificou possíveis alterações sofridas em máscaras N95 e PFF2-S após esterilização. Testes foram feitos pela UTFPR de Medianeira. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Estudo verificou possíveis alterações sofridas em máscaras N95 e PFF2-S após esterilização. Testes foram feitos pela UTFPR de Medianeira. 

A Unimed Ponta Grossa encomendou um estudo para avaliar se as máscaras N-95 e PFF2-S, após submetidas à esterilização, sofreram alterações na eficiência de proteção.

Os testes foram realizados pelo Grupo de Pesquisa Química de Produtos Naturais e Biodiversidade (QPNBIO), no Laboratório de Microbiologia da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), do campus Medianeira.

Em iniciativa inédita entre as Unimeds do Paraná, segundo o presidente da cooperativa, Rafael Francisco dos Santos, a ação foi tomada a partir da dificuldade na aquisição dessas máscaras, principalmente agora em período de pandemia. 

“É importante compartilhar essa possibilidade com a comunidade porque, em um cenário em que esse tipo de máscara já está escasso, a reesterilização passa a ser uma alternativa para momentos de emergência que venham a surgir. Essa prática já é necessária em países como os Estados Unidos, por exemplo, e é importante que se possa validar esse tipo de procedimento no Brasil com produtos nacionais”, analisa. O dirigente afirma ainda que no momento há EPIs para todos os médicos e colaboradores do Hospital, mas é importante que se tome medidas que antecipem eventual colapso no fornecimento dos EPIs como aconteceu em países como Itália e Espanha. 

Foram submetidos à análise os equipamentos de proteção individual (EPIs) respiratórios utilizados no Hospital Geral Unimed (HGU), que passaram por dois tipos de esterilização: em autoclave e em peróxido de hidrogênio, formas de higienização já praticadas em instrumentais cirúrgicos do hospital.

De acordo com o relatório encaminhado pelos pesquisadores da universidade, os testes foram realizados em ambiente controlado, sem conflito com as Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde no Trabalho (NRs)”.

Durante os ensaios de vedação, as máscaras esterilizadas foram ajustadas ao rosto e foi aplicado um teste de pressão positiva. “Depois de um processo de esterilização química e térmica, foi verificado se as tramas que constituem as máscaras não foram comprometidas”, explica Santos.

Além disso, foram também feitos exercícios, reproduzindo os movimentos comumente feitos pelos profissionais de saúde durante a rotina de trabalho.

Ainda segundo o relatório, após as avaliações, foi possível “afirmar que os processos de esterilização não configuram ataque aos materiais utilizados na confecção das máscaras”. Com relação às amostras de máscaras N-95 e PFF2-S, as esterilizações não comprometeram a capacidade de “impedir a passagem de agentes químicos, e por conseguintes agentes biológicos, mostrando que não houve danos em sua estrutura funcional”. 

O diretor-presidente da Unimed Ponta Grossa ressalta que o estudo não garante a eficácia de todas as máscaras em circulação. “As análises foram feitas com amostras dos EPIs utilizados no HGU e processados nos nossos equipamentos, mas podemos inferir que materiais da mesma qualidade podem apresentar resultados semelhantes aos nossos.”

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados