Crea-PR aponta necessidade de alterações no trânsito de PG

Ponta Grossa

11 de maio de 2020 20:44

Da Redação


Relacionadas

Homem morre atropelado no Distrito Industrial em PG

Rangel assina licitação de R$ 35 mi para o aeroporto

Batida entre moto e caminhão deixa duas vítimas

Procon de PG atende por canais oficiais durante pandemia
Comerciantes são atacados por bandidos em PG
Paraná alinha modelagem do novo Anel de Integração
Mulher invade casa do ex-marido e entrega armas à PM
Especialista em Infraestrutura e Transportes analisa possibilidades para o futuro do trânsito no município Foto: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

Especialista em Infraestrutura e Transportes analisa possibilidades para o futuro do trânsito no município

De acordo com levantamento do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), o número de veículos do Estado aumentou 4% de fevereiro de 2019 a fevereiro de 2020, um salto de 7.237.435 para 7.496.666. Neste universo, os três tipos de veículos mais utilizados no Paraná são automóveis (4.377.981), motocicletas (1.092.305) e caminhonetes (652.694). 

Em Ponta Grossa, o aumento de 2019 para 2020 foi de quase 4%, passando de 205.369 para 213.456 veículos. São 129.369 automóveis, 24.397 motocicletas e 19.036 caminhonetes.

Para o diretor do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), Engenheiro Civil e Especialista em Infraestrutura e Transportes, Rafael Fontes Moretto, com o aumento de veículos nas ruas ano após ano, principalmente nas grandes cidades, o trânsito em breve atingirá sua capacidade máxima. 

“Sem política de investimentos no trânsito, em 10 anos teremos problemas sérios. É necessário e urgente o investimento em outros meios de transporte, como as modalidades ferroviária, metroviária e hidroviária, para que a sociedade não fique tão dependente somente do sistema rodoviário, como ocorre atualmente, tanto para escoamento de produção quanto para transporte de pessoas. Os problemas que ocorrem nas cidades de grande porte já começam a surgir nas cidades de médio porte”, avalia o diretor do Crea-PR. 

Um dos impactos diretos da utilização intensa das rodovias é o número de acidentes. Em 2019, a Polícia Rodoviária Estadual registrou 9.896 acidentes, em sua maioria ocasionados por colisão traseira (1.796), abalroamento lateral (1.513), choque (1.413) e abalroamento transversal (1.229). Dos acidentes registrados no ano passado, resultaram 6.841 vítimas feridas e 699 óbitos. 

“Pode-se afirmar que 90% dos acidentes são ocasionados por fator humano, sendo grande parte por imprudência, mas outros fatores são considerados, como falta de manutenção da rodovia ou falta de manutenção do veículo. Por isso, é preciso uma mudança de cultura das pessoas e investimentos em estruturas de trânsito alternativas”, afirma Moretto.


Possíveis sugestões para o trânsito

- Construção de centros de distribuição longe das grandes cidades;  

- Foco em outras malhas, como ferrovias, metrovias, hidrovias e ciclovias;  

- Cumprimento das projeções de pavimentação anunciadas pelo poder público;  

- Melhoramento das vias já existentes, com ampliação da capacidade e obras especiais (viadutos, pontes, túneis) para melhorar a fluidez;

Com informações da Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados