Câmara de PG aprova projeto ‘Um Axé Para a Vida’

Ponta Grossa

26 de maio de 2020 15:45

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Restaurante contesta versão de família sobre agressão

UEPG inicia ensino remoto em 20 de julho

Ratinho anuncia novas medidas de restrição no PR

Família denuncia agressões em restaurante de PG
PG terá geada entre quarta e sábado, indica Simepar
Colégio Vila Militar Cescage promove Live sobre Mulheres
Obras deixam vilas de PG sem água nesta quinta
Texto é direcionado para homenagens para a cultura afro e para religiões de matriz africana Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A matéria foi aprovada em segunda discussão, recebendo seis votos contrários

Durante a sessão ordinária desta segunda-feira (25), a Câmara Municipal de Ponta Grossa aprovou a lei no  297/2019, que institui a criação da semana “Um Axé Para a Vida”, fazendo com que, na segunda semana do mês de novembro, sejam feitas homenagens para a cultura afro e para religiões de matriz africana. O projeto foi criado pelo vereador Celso Cieslak (PRTB).

Segundo o vereador, a ideia é valorizar todo o patrimônio cultural da população negra. “Devemos apreciar as matrizes africanas aqui em Ponta Grossa. Várias cidades já possuem projetos nesse sentido (...) boa parte da nossa população do Brasil é negra, devemos dar o devido valor”, diz.

Votos contrários

Os vereadores contrários ao projeto foram Jorge da Farmácia, Valtão, Pastor Ezequiel, Felipe Passos, Ricardo Zampieri e Vinicius Camargo. Eduardo Kalinoski se absteve de votar.

Cieslak acredita que o projeto pode ter sido mal interpretado. “Acredito que alguns confundiram (...) creio que nenhum vereador votaria contra a raça negra”, enfatiza o parlamentar.

Diversidade

De acordo com André Luiz Nunes, que é pastor evangélico, é fundamental valorizar todo tipo de cultura. Ele acredita que impor barreiras para a intolerância e para o preconceito é o meio mais eficaz para a aceitação da diversidade cultural. “Todas as culturas e religiões merecem ser respeitadas. A religião faz muito bem ao ser humano e todas elas são importantes para a nossa formação enquanto povo. Há um preconceito que precisa ser desfeito”, afirma André.

Para Silvana Batista, que é mãe de santo, a criação da semana comemorativa é um privilégio. Ela conta que praticantes de religiões de matriz africana sofrem muito preconceito.

“Somos muito discriminados (...) as pessoas, a partir do momento que sabem que você pertence ao axé, te tratam mal, tem medo. As pessoas precisam entender que que Deus é um só. Para nós, essa valorização é um mérito”, comemora.

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados