Justiça indefere pedido de subsídio à VCG

Ponta Grossa

29 de maio de 2020 21:40

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Curso de Engenharia Civil da UEPG conquista prêmio

Fiscais abordam 13 pessoas durante toque de recolher

'Obras na Souza Naves começam no sábado', diz Rangel

Homem de 61 anos é a sétima vítima da covid-19 em PG
Sem lembrar o que aconteceu, idoso ferido é levado ao PSM
UEPG realiza evento de debates sobre a crise e jornalismo
Pedestres são vítimas de roubo em diferentes bairros de PG
Ação ocorre desde o dia 15 de maio Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa saiu na tarde desta sexta-feira. Viação Campos Gerais pede R$ 2,5 milhões à Prefeitura Municipal

A juíza Luciana Virmond Cesar da 2ª Vara da Fazenda Pública de Ponta Grossa indeferiu o pedido da Viação Campos Gerais (VCG) na tarde desta sexta-feira (29), que pedia um subsídio de R$ 2,5 milhões à Prefeitura Municipal de Ponta Grossa para continuar operando. Segundo a empresa de transporte público, a pandemia trouxe a diminuição do número de passageiros e, consequentemente, a receita.

A decisão da magistrada aponta que “diante da ausência de probabilidade do direito – por não verificar ilegalidade na conduta do réu, bem como, diante da vedação legal de determinação liminar de pagamento de qualquer natureza pela autoridade ré, indefiro a medida liminar pleiteada pela concessionária autora”.

Ainda, define que “cite-se o réu para o oferecimento de contestação aos temos da presente ação, no prazo legal”. A audiência de conciliação trouxe a “inaplicabilidade do prazo”, segue a decisão, ao ser realizada excepcionalmente, “sem atendimento à antecedência mínima e determinação de citação do réu”, conforme o artigo 334 do Código de Processo Civil (CPC).

“Apresentada a contestação ou certificado o decurso do prazo, manifeste-se a parte autora no prazo de 15 (quinze) dias, de acordo com o disposto nos artigos 350 e 351 do Novo Código de Processo Civil. Após, intimem-se as partes para que, no prazo de 10 (dez) dias, manifestem-se sobre o interesse na produção de provas, especificando-as e indicando a relevância e pertinência. Em seguida, abra-se vista dos autos ao Ministério Público”, conclui a decisão da juíza Luciana Virmond Cesar.

PUBLICIDADE

Recomendados