Estado retoma obras no colégio estadual do bairro Cará-Cará

Ponta Grossa

29 de maio de 2020 18:00

Da Redação


Relacionadas

Corpo amarado é encontrado em estrada rural em PG

PG tem mais uma morte suspeita pelo novo coronavírus

PM detém mulheres ligadas ao tráfico de drogas

Homem foge após agredir esposa e enteada em PG
Condutor atropela e foge sem prestar socorro; vítima morre
Fiscalização autua 5 estabelecimentos por ‘furar’ decreto
Acidente envolve motoristas bêbados na BR-376 em PG
A previsão de investimento no prédio é de aproximadamente a R$ 1,9 milhão. A construção foi alvo da operação Quadro Negro. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A previsão de investimento no prédio é de aproximadamente R$ 1,9 milhão. A construção foi alvo da operação Quadro Negro.

O Governo do Paraná retomou as três últimas obras que estavam paralisadas em decorrência da operação Quadro Negro, que apontou desvios de recursos na construção de prédios escolares. Além do investimento de cerca de R$ 11 milhões, a continuidade dos trabalhos ainda garante a manutenção de 100 empregos diretos nos canteiros, mesmo com pandemia da Covid 19.

Uma das obras abrange a construção do Colégio Estadual Francisco Pires Machado, localizado no bairro Cará-Cará, em Ponta Grossa. A previsão de investimento no prédio é de aproximadamente a R$ 1,9 milhão. A construção está abandonada desde 2014. Outra escola que será construída é o Centro Estadual de Educação Profissional de Campo Largo, Região Metropolitana de Curitiba. A obra foi paralisada em 2015. Uma nova licitação foi feita, mas a empresa vencedora abandonou a obra em 2018.

“O governo do Estado tem feito um esforço muito grande para que todas as obras envolvidas na Operação Quadro Negro sejam entregues aos paranaenses. Como o CEEP de Campo Largo, que vai contribuir no fortalecimento do ensino profissional do Paraná”, explicou o diretor-presidente da Fundepar, José Maria Ferreira. Também foram retomadas as obras da nova unidade do Colégio Estadual William Madi, em Cornélio Procópio, com investimentos de R$ 3,8 milhões para conclusão.

Por determinação do governador Carlos Massa Ratinho Junior, a Fundepar atua para encerrar um capítulo triste na educação do Paraná. O Ministério Público apontou o desvio de recursos em 14 escolas no Estado em 2014. Das que tiveram obras  interrompidas, nove já foram entregues à população e as últimas cinco estão em andamento para serem concluídas.


Pandemia

Em todo o Estado, o Instituto Fundepar investe mais de R$ 100 milhões para dar continuidade a 156 obras escolares durante a pandemia. São construções de novas unidades escolares, ampliações de espaços, reparos e de restauração. Com isso, cerca de 1,4 mil empregos diretos foram mantidos nos canteiros de obras.

Com informações da Agência Estadual de Notícias.

PUBLICIDADE

Recomendados