Vinícius comemora decisão da Justiça que nega subsídio à VCG

Ponta Grossa

29 de maio de 2020 20:31

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

PG confirma sexto óbito pelo novo coronavírus

Sesa sinaliza 25 novos leitos de UTI em Ponta Grossa

Polícia Civil prende suspeito de abusar de adolescentes

Novo exame de Bolsonaro dá positivo para covid-19
Cescage promove o oitavo dia do Ciclo da Ciência
Rangel exonera 31 cargos comissionados ligados ao DEM
Ultrapack prepara novidades para comemorar 15 anos
Parlamentar já havia se manifestado contra o subsídio Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Líder do Governo havia se manifestado contra envio de recursos para a empresa responsável pelo transporte coletivo

O vereador Vinícius Camargo (PSD) comemorou a decisão do Poder Judiciário emitida nesta sexta-feira (29) - a decisão judicial de primeira instância negou a destinação de recursos públicos à Viação Campos Gerais. A empresa é responsável pelo transporte coletivo em Ponta Grossa e recorreu à justiça para conseguir recursos públicos. O parlamentar já havia se manifestado contra o subsídio.

Camargo destaca que a ação seria contraditória diante da situação de outros empresários da cidade. "A VCG não foi a única empresa atingida, sequer foi a mais atingida. Não me parece razoável destinar dinheiro público para socorrer uma empresa que tem uma contrato de concessão e que não parou de atuar sequer por um dia", esclareceu o líder do Governo Municipal.

Vinícius ressaltou ainda que a VCG conseguiu "amenizar" parte da queda no número de passageiros quando suspendeu o contrato de parte dos colaboradores. "Por mais que exista uma diminuição no número de passageiros, a Viação já suspendeu o contrato de vários funcionários. Ou seja, assim como outras empresas a VCG está adotando medidas próprias para recompor as finanças", explicou o parlamentar.

O vereador explica que a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) deve receber R$ 44 milhões do Governo Federal para enfrentar a pandemia da Covid-19. "Esse dinheiro não deve ser aplicado para subsidiar uma empresa privada, mas sim para reforçar o nosso sistema de saúde e garantir a continuidade de serviços essenciais como segurança, saúde e educação", disse Vinícius.

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados