Devido à covid-19, Doutores Palhaços levam projeto às ruas

Ponta Grossa

29 de junho de 2020 10:51

Da Redação


Relacionadas

Novo boletim traz mais de 100 novos casos de covid-19

Slaviero confirma construção de novo hotel em PG

Prefeitura de PG autoriza reabertura da rodoviária

Equipe de Robótica promove vaquinha virtual
Congresso terá debate sobre Meio Ambiente do Trabalho
PR reabre parques, mas Vila Velha segue fechada
UEPG divulga resultado de vestibular EaD
PUBLICIDADE

Sem poder atuar dentro dos hospitais por causa da pandemia do novo coronavírus, ONG leva projeto Nariz em Resgate às ruas de Ponta Grossa

A Organização Não Governamental Doutores Palhaços – SOS Alegria realiza no último mês a Operação Nariz em Resgate, que visa a levar humanização para pessoas em estado de fragilidade emocional ocasionada por algum problema de saúde, ou mesmo como efeito da pandemia do novo coronavírus. Com muito bom humor e cumprindo as determinações de prevenção, os palhaços de transformam as ruas da cidade em corredores de hospital, levando conforto e alegria tanto para quem está em isolamento, como para quem está de passagem.

O nome do projeto, Operação Nariz em Resgate não começou em tempos de pandemia da covid-19, mas sim já era uma ação dos Doutores Palhaços em empresas da cidade e servia para falar sobre a importância do riso na vida das pessoas e da motivação no ambiente de trabalho. “Após consultoria técnica na área da enfermagem, avaliamos os riscos, porém concluímos que as ações não iriam interferir de maneira negativa quanto a motivar as pessoas a quebrarem o isolamento ou ir contra as recentes normas e recomendações da saúde”, explica a coordenadora artística da ONG, Micheli Vaz.

Ela conta que a organização lançou nas redes sociais há cerca de um mês a ação, se colocando à disposição da população e disponibilizando um contato via WhatsApp e se surpreenderam com a quantidade de solicitações de intervenções. “O projeto Operação Nariz em Resgate não é destinado apenas para pessoas enfermas, mas também para aqueles que, em virtude da pandemia, estão se sentindo sozinho, principalmente idosos que não podem se reunir com a família ou executar atividades que antes realizavam, bem como, outras pessoas com depressão ou com pensamento suicida. O objetivo da Operação é ajudar e ao mesmo tempo, não oferecer riscos aos voluntários”, aponta.

A indicação costuma ser feita por alguém da família, um amigo próximo ou pelas próprias pessoas em vulnerabilidade emocional e a condição da ONG é a pessoa estar em isolamento social. As equipes contam com uma dupla de palhaços voluntários, que vão em carros separados, e mais um membro de apoio. Todos usam máscaras e atuam costumeiramente da calçada em frente à residência. Até o distanciamento social é motivo para as brincadeiras”, conta Daniel Silva dos Santos, presidente da ONG.

“O portão é o limite da interação, o resgate não é físico e o abraço é dado a distância, simbolicamente com a presença dos palhaços de hospital, fora do ambiente hospitalar”. Micheli relata que o trabalho vai além e as pessoas que passam na rua, na hora da intervenção, também de um jeito bem-humorado, são alertadas da importância do uso das máscaras, do distanciamento social e sempre com uma mensagem de esperança, de que isso tudo vai passar.

A coordenadora alerta que os palhaços voluntários que fazem parte dos grupos de risco não são permitidos participar do projeto e são realizadas no máximo quatro escalas no dia e sempre agrupando para o mesmo lado da cidade. “O planeta se transformou em um hospital gigante e as ruas viraram nossos corredores. Por mais que não seja seguro, atualmente, nossa presença nos hospitais, temos a consciência da nossa responsabilidade com a cidade de Ponta Grossa. Devido a covid-19, nossos risometros registraram uma queda significativa de felicidade em Ponta Grossa. Por isso, cabe a nós Doutores Palhaços fazer a nossa parte para melhorar estes índices”, finaliza Micheli.

A ONG SOS Alegria conta com cerca de 50 voluntários que através da humanização, temperado com muito humor, antes da pandemia, por mais de uma década atuam para pacientes e familiares no Hospital Bom Jesus, Santa Casa de Misericórdia, Instituto Sul Paranaense de Oncologia (ISPON), Hospital São Camilo, Pronto Socorro Municipal, Hospital da Criança e Unidade de Pronto Atendimento (UPA) – Santa Paula.

Informações assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados