UEPG realiza evento de debates sobre a crise e jornalismo

Ponta Grossa

16 de julho de 2020 08:40

Da Redação


Relacionadas

PG completa 10 meses do 1º caso da covid-19

Ponta-grossense ganha carro 0 km do Palladium

Acidente entre motos deixa mulher ferida em Uvaranas

APG Proteção Veicular indica manutenções preventivas
Protesto fecha ‘Ponte do Matadouro’ em Ponta Grossa
Prefeitura atende famílias atingidas pelas chuvas
Prefeitura de PG decide retomar cobrança do EstaR
O evento é tradicional na graduação em Jornalismo da UEPG e tem como objetivo discutir as resistências presentes na sociedade. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Evento organizado pelo Centro Acadêmico de Jornalismo da UEPG acontece na próxima semana

A XV Semana de Integração e Resistência acontece entre os dias 20 e 24 de julho. O evento é realizado pelo Centro Acadêmico João do Rio (Cajor), do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O tema deste ano é Jornalismo e os desafios das crises em 2020. Por conta da pandemia de Covid-19, pela primeira vez ocorrerá de forma remota, com transmissões pela página do Facebook do Cajor. As inscrições são gratuitas e geram certificado para quem tiver participação de no mínimo de 75% das atividades.

O evento é tradicional na graduação em Jornalismo da UEPG e tem como objetivo discutir as resistências presentes na sociedade, relembrando também episódios de desmonte das universidades estaduais. Neste ano, a programação além do foco social e político, também contextualiza diferentes possibilidades de jornalismo produzido durante a pandemia. “O jornalismo está enfrentando novos desafios e ataques, perdendo muitas vezes sua credibilidade, e precisamos levar aos estudantes a discussão sobre esses problemas”, explica Emanuelle Soares, integrante da comissão de organização.

O evento será a primeira atividade obrigatória do curso de Jornalismo durante a fase de aulas remotas da UEPG, que inicia no dia 20.  As acadêmicas do primeiro ano do curso, Ana Luiza Bertelli e Janaina Cassol contam que as expectativas para participar são grandes. “A Semana aborda temas indispensáveis da realidade que vivemos e que precisamos debater nas nossas formações profissionais e pessoais”, explicam.Na segunda (20), a partir das 17h30, a palestra de abertura trata sobre os 15 anos da Semana de Integração e Resistência, com participação de ex-alunos do curso, os jornalistas Paula Nadal e Ricardo Ampudia. Em seguida, o repórter do Portal G1 Paraná, Wesley Bischoff, fala sobre as mudanças na produção do jornalismo causadas pela pandemia.

A partir das 19h, terça (21), o fotojornalista Jefferson Botega relata sua experiência cobrindo atos antidemocráticos que se espalharam esse ano pelo país. Em abril, Botega sofreu ataques enquanto cobria ato a favor da intervenção militar no Brasil. Na quarta (22), 14h30, Jonas Pinheiro, da revista Afirmativa, e Thais Bernardes, idealizadora do portal Notícia Preta, debatem os movimentos antirracistas de 2020 e o papel do jornalismo nesse contexto.

Quinta (23), a programação inicia às 10h, com oficina sobre escrita acadêmica com o mestrando Regilson Furtado Borges. No mesmo dia, 14h, o debate é sobre os desafios do ensino de Jornalismo durante a pandemia, com o professor do curso de Jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Felipe de Oliveira.

Às 10h da sexta (24), acontece oficina sobre a produção de podcasts jornalísticos, com o jornalista Rodrigo Alves. Às 18h, a palestra de encerramento conta com a participação de Letícia Ferreira, repórter da Revista AzMina e idealizadora da Rede Brasileira de Jornalistas Negros, que fala sobre a pandemia e os Direitos Humanos.

Para garantir certificado de horas e participar das oficinas é necessário se inscrever pelo formulário.

Evento chega a sua 15ª edição

O ano de 2020 marca os 15 anos do primeira Semana de Integração e Resistência. O evento surgiu em 2004 como forma de protesto pelas dificuldades enfrentadas na universidades estaduais do Paraná. Na época, o então governador Roberto Requião (PMDB) decretou o desligamento de 35 cursos nas Universidades Estaduais do Paraná. Na UEPG foram fechados oito cursos, pois eram necessários 180 professores para o início do ano letivo.

Diante dessa situação, os acadêmicos se mobilizaram contra a falta de professores, em frente à UEPG, na Praça Santos Andrade. Para homenagear a resistência do Acampamento Dois de Março (Ocupação Emiliano Zapata) durante a mobilização, o curso de Jornalismo da UEPG criou a Primeira Semana de Integração da Resistência, que desde o início teve o propósito de agregar diferentes setores da sociedade para discutir a luta por direitos.

Mais informações:

Facebook

Instagram

Twitter

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados