Estudante de PG atacado por pitbull espera por cirurgia

Ponta Grossa

17 de julho de 2020 12:30

Da Redação


Relacionadas

Em Uvaranas, rapaz fica ferido após ser agredido em briga

Colégio realiza projeto preparatório para vestibular

ADM 2020 divulga resultado dos artigos selecionados

Fundação confirma o 105° óbito por Covid-19
Projeto Social de PG realiza congresso online para idosos
ICP têm programação alusiva ao Dia do Idoso
Candidatos destacam oportunidade de debater propostas para PG
PUBLICIDADE

Rapaz tentou salvar cadela atacada pelo animal; neurocirurgião de Ponta Grossa acompanha o estado da vítima

Há mais de dois meses, o estudante Eduardo Mascarenhas dos Santos, de 23 anos, foi atacado por um cachorro da raça pitbull enquanto tentava socorrer sua cadela. Em um vídeo divulgado por ele, com o braço enfaixado, o rapaz conta que está passando por uma situação difícil e precisa passar por uma cirurgia. Lacerações no braço, na mão e na axila foram as suas sequelas, porém o jovem já fez exames e está esperando por uma data para a realização da operação.

O rapaz argumenta que precisa de uma resposta do hospital o quanto antes e que não pode ficar parado. Ele assegura que não pode mais esperar pela cirurgia pois, a cada dia que passa, sua situação piora.

O que aconteceu, segundo ele, foi que a sua cadela estava sendo atacada por um dos dois cães e por isso Eduardo foi tentar socorrê-la. Nesse momento, o outro cachorro foi em sua direção mordendo principalmente seus membros superiores. O estudante perdeu uma veia, uma artéria e a parte de nervos foi bastante afetada.

Remédios para dor não funcionam

Um neurocirurgião de Ponta Grossa está acompanhando o estado de Santos e, por recomendação do próprio médico, o rapaz entrou em contato com outro especialista do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba para realizar o encaminhamento da operação de neurocirurgia. 

O estudante disse também que está tomando três fortes medicamentos diferentes e que a dor sentida por ele não passa, pois nem morfina resolve sua questão. “A dor causa um desespero, e passados aí dois meses e uma semana do acidente, o desespero fica cada vez maior, e a região dos nervos quando danificada, é uma das piores dores que se pode sentir sabe? Remédios como morfina e derivados não funcionam”, afirma Eduardo. 

O objetivo do vídeo divulgado por Eduardo é chamar atenção do hospital para a sua urgência. Se não fizer a cirurgia logo, ele corre risco de infecção e, em decorrência, pode necrosar toda a parte do corpo atingida pelo ataque. 

Posicionamento do hospital

Em nota, a assessoria de comunicação do hospital informou que Eduardo foi avaliado pela neurocirurgiã, encaminhado para acompanhamento ambulatorial e fará outros exames pré-operatórios. “No histórico ainda não consta data. Mas certamente os médicos estão atuando da maneira mais adequada ao caso dele”, diz o comunicado enviado ao portal aRede na manhã desta sexta-feira (17).

PUBLICIDADE

Recomendados