Taxa de ocupação dos Hotéis de PG registra queda histórica

Ponta Grossa

17 de julho de 2020 20:04

Da Redação


Relacionadas

Construtora Prestes realiza feira digital de imóveis

Madero investirá mais R$ 100 mi em Ponta Grossa

Inscrições para bolsa de estudo no CVM Cescage estão abertas

Jovem fica em estado grave após acidente em PG
Mabel reforça importância da lei que garante escolha do parto
Tribunal do Júri inocenta rapaz acusado de homicídio
Cresce número de candidaturas registradas em PG
Dados fazem parte de mapeamento mensal do Ponta Grossa Campos Gerais Convention & Visitors Bureau Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Dados fazem parte de mapeamento mensal do Ponta Grossa Campos Gerais Convention & Visitors Bureau

Desde o início da pandemia de Covid-19 no Brasil, com reflexos a partir da terceira semana de março, a hotelaria da região dos Campos Gerais vem registrando baixas taxas de ocupação.

Segundo dados do Ponta Grossa Campos Gerais Convention & Visitors Bureau (PGCG CVB), em Ponta Grossa, cidade em que os associados compartilham dados da sua ocupação, comparando abril, maio e junho deste ano com 2019, houve diminuição de 30% na taxa de ocupação, o que equivale a queda de mais de 60% em faturamento.

Segundo o gerente executivo do Convention, Marcelo Amaral, os números são preocupantes, mas esperados. “No início do ano registrávamos dados animadores que mostravam crescimento da hotelaria, daí veio a pandemia e derrubou todos os índices, algo que já imaginávamos e os dados nos mostraram quão grande foi”.

Segundo Thaís Pius, presidente do PGCG CVB, não é possível dizer se os dados continuarão negativos ou haverá recuperação da hotelaria no segundo semestre. “Com eventos paralisados, atrativos turísticos, aeroporto e rodoviária fechados e o próprio receio dos visitantes em viajar, não podemos ser otimistas e dizer que haverá aumento na taxa de ocupação, mas podemos afirmar que estamos trabalhando para os associados terem os menores prejuízos com essa pandemia”, enfatiza a presidente Thaís Pius.

Para o hoteleiro Daniel Wagner, presidente do Sindicato Empresarial de Hotelaria e Gastronomia dos Campos Gerais, o ano iniciou em ritmo de melhoria em relação a 2019, tanto na diária média como na ocupação pelo ritmo do primeiro bimestre e da primeira quinzena de março, porém “as restrições a mobilidade e a aglomeração das pessoas fazem com que o nosso setor do Turismo seja possivelmente o mais atingido pela pandemia. Esses números só não foram piores no segundo trimestre porque alguns hotéis fecharam ou estão fechados, concentrando um pouco mais a pequena demanda existente nos que permaneceram”, enfatiza.

Para ele, há expectativa de melhoria no segundo semestre, mas com muitas frustrações pelo cancelamento de eventos importantes como a Agroleite. “Mas assim como em outras cidades, a probabilidade de um retorno da ocupação ao nível do início deste ano só deve ocorrer no próximo ano, falando ainda de forma otimista”, finaliza.

Alecsandra Hypólito é gerente do Premium Vila Velha Hotel, que desde a pandemia vem registrando queda na taxa de ocupação e optou por demitir e usar as ações do Governo Federal para ajudar as empresas. “Estamos preparados para crises em nossas empresas, e elas sempre passam e são resolvidas, mas nunca esperávamos uma pandemia mundial tão séria e sem previsão de acabar”

Ela enfatiza que já são quase quatro meses de ocupação baixíssima, onde conseguiram em alguns momentos uma leve melhora na ocupação. “É a hora de rever tarifas, rever gastos, a maioria foram cortados, e rever todo o planejamento e estratégias, pois o cenário é completamente diferente, com novas exigências de ambos os lados, do empresarial e dos clientes que fazem movimentar a nossa engrenagem do desenvolvimento”, finaliza.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados