Vereador quer R$ 500 mil para ajudar músicos de PG

Ponta Grossa

22 de julho de 2020 18:20

Afonso Verner


Relacionadas

Colégio realiza projeto preparatório para vestibular

ADM 2020 divulga resultado dos artigos selecionados

Fundação confirma o 105° óbito por Covid-19

Projeto Social de PG realiza congresso online para idosos
ICP têm programação alusiva ao Dia do Idoso
Candidatos destacam oportunidade de debater propostas para PG
“PG não pode silenciar diante do desmonte governista”, diz Professor Gadini
Proposta é destinar parte dos recursos que 'sobram' no orçamento do Legislativo aos músicos Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

George de Oliveira (PROS) apresentou proposta na Tribuna da Câmara Municipal

O vereador George de Oliveira (PROS) quer destinar R$ 500 mil para ajudar os músicos de Ponta Grossa durante a pandemia. Nesta segunda-feira (22), Oliveira foi à tribuna da Câmara solicitando que o Legislativo “antecipe” parte da devolução orçamentária, feita todos os anos, e destine R$ 500 mil para contribuir com a classe musical. Segundo Oliveira, o recurso poderia ser ‘carimbado’ para garantir a aplicação da verba no setor em questão. 

“A classe musical em nossa cidade é responsável por uma importante fatia no mercado de trabalho Pontagrossense. São músicos, seguranças, técnicos de som e outros profissionais que tiram quase a totalidade de sua renda de shows e eventos, e enfrentam uma grave crise com o fechamento indeterminado das casas noturnas”, disse o vereador. 

Oliveira lembra ainda que de um dia para o outro esses profissionais viram seus orçamentos “quase reduzidos a zero”. “Para aliviar a crise dessa e de outras classes artísticas, apresentei essa proposta, com o pedido para que seja direcionado a categoria dos músicos, seguranças, técnicos de som e toda cadeia produtiva de eventos de Ponta Grossa”, disse. 

Segundo Oliveira, a medida seria possível se a própria Câmara antecipasse a devolução de recursos à Prefeitura e destinasse os R$ 500 mil solicitados para a classe musical. Anualmente o Legislativo recebe 5% do orçamento total da Prefeitura, mas gasta menos do que o montante e devolve parte dos recursos. “Temos que ajudar essas pessoas de alguma forma, porque não podemos mais ficar esperando essa verba cultural”, explicou George.

PUBLICIDADE

Recomendados