PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

MP é contra abertura de crédito a empresários

Ponta Grossa

27 de julho de 2020 15:38

Afonso Verner


Relacionadas

Unopar PG libera bolsa para estudantes que realizaram Enem

Já pensou em fazer um consórcio estético?

Lei que garante parto adequado completa dois anos no Paraná

Dog King chega em PG servindo o melhor 'prensadão' do Paraná
Magazine Enxovais realiza o 'compre 1, leve 2' em PG
Vacinação completa 1 ano no PR e salva 'inúmeras vidas'
Caminhão plataforma tomba com trator na BR-376 em PG
Foto: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

Ministério Público Eleitoral (MPE) deu parecer contrário a projeto que abre linha de crédito emergencial de R$ 3 milhões

O promotor de Justiça, Jânio Luiz Pereira, deu parecer contrário a criação de uma linha de crédito emergencial ofertada aos empreendedores de Ponta Grossa. O parecer do promotor, responsável pela Vara Eleitoral, foi lido no começo da sessão desta segunda-feira (27), pelo presidente da Câmara, Daniel Milla (PSD). O parecer do promotor deve impedir (ou ao menos atrasar) a votação da criação da linha de crédito.

O impasse começou quando o Poder Executivo enviou um projeto de lei tratando do assunto. No entanto, após uma reunião entre Milla e o prefeito Marcelo Rangel (PSDB), o Executivo decidiu retirar o projeto - havia um entendimento que a proposta poderia gerar conflito com a legislação eleitoral por envolver vereadores que deverão participar da eleição em novembro. 

A retirada do projeto foi alvo de reclamações, especialmente por parte do vereador Geraldo Stocco (PSB) - o parlamentar cobrou insistentemente o reenvio do projeto. O próprio Stocco chegou a conseguir um despacho do Ministério Público (mas não da promotoria eleitoral) em que o promotor Márcio Dantas afirmava que não havia impedimento legal para criação da linha de crédito. 

No documento enviado ao presidente Daniel Milla, o promotor Jânio destaca que há trechos na proposta que preveem “doação pura e simples em favor dos particulares para todos fins e efeitos”, ao destacar que o município subsidiária os juros do financiamento. O projeto inicialmente previa um recurso de R$ 3 milhões em que cada empreendedor poderia emprestar até R$ 20 mil. 

No mesmo documento, o promotor afirma ainda que o projeto “embora traga benefícios reflexos à coletividade, se destina diretamente a privilegiar particulares”. Por fim, o promotor destaca ainda que o projeto poderia “ser utilizado para uso promocional em favor de candidato, partido, político ou coligação”, atitudes que são expressamente vedadas pela Legislação Eleitoral. 

Stocco protesta

Logo após Milla ler o parecer do promotor, o vereador Geraldo Stocco (PSB) pediu a palavra. Defensor da proposta desde que a proposta foi apresentada por membros do próprio Poder Executivo, Stocco lamentou. “Nós fazemos parte de outro poder [Legislativo], não precisamos do aval do Ministério Público. Há divergências sobre o tema dentro do próprio Ministério Público, o que é natural. Mas enquanto isso muitas empresas estão fechando”, disse Stocco. 

Projeto não deve ser reenviado

Na prática, o Legislativo aguardava que o prefeito Marcelo Rangel (PSDB) reenviasse o projeto. Com a incisiva manifestação contrária do Ministério Público, especificamente do promotor Jânio Luiz Pereira, não há mais certeza sobre o fato do projeto ser reenviado e o Poder Executivo insistir na criação da linha de crédito. 

PUBLICIDADE

Recomendados