PG tem gasolina mais barata entre as maiores cidades do PR

Ponta Grossa

27 de julho de 2020 19:54

Fernando Rogala


Relacionadas

Bombeiros combatem princípio de incêndio em cafeteria

Rapaz é atingido com golpe de facão ao defender tia

Pauliki e Zampieri asseguram compromisso com a UEPG

Veículos com alerta de furto são recuperados em PG
Uber atinge carro da polícia e viatura tomba
Motoboy fratura os pés após colisão com automóvel
Residência em Uvaranas é atingida por incêndio
Preço médio é de R$ 3,77. Mas com pagamento por aplicativos, valor fica mais baixo Foto: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

Entre as 29 cidades onde há pesquisa da ANP, Ponta Grossa destacou-se como a cidade com o litro mais barato

O preço da gasolina teve um salto nas últimas semanas. O preço médio de venda do litro no mês de maio, em Ponta Grossa, que era de R$ 3,33, subiu para R$ 3,56 em junho, e chegou a R$ 3,77 no último levantamento realizado na cidade, na segunda-feira passada, dia 20 de julho. Isso representa que, em cerca de dois meses, esse combustível teve um incremento de 13,21%, conforme os números apresentados pela Agência Nacional do Petróleo (ANP). Apesar da alta de dois dígitos, Ponta Grossa hoje tem a gasolina mais barata entre 29 maiores cidades do Paraná, analisadas pela pesquisa da ANP. A pesquisa levou em conta os preços praticados em 15 postos de combustíveis ponta-grossenses. 

Pelo levantamento, Ponta Grossa é a única cidade onde o preço médio está abaixo de R$ 3,90. O segundo preço médio mais barato do estado entre as 29 cidades é Guarapuava, onde o litro é comercializado a R$ 3,90, seguida por São José dos Pinhais (R$ 3,91) e Campo Mourão (R$ 3,92). Do outro lado da tabela, os combustíveis mais caros estão em Cornélio Procópio (R$ 4,21), Cianorte e Foz do Iguaçu (R$ 4,15). Em Castro, na região dos Campos Gerais, o litro da gasolina custa R$ 4,07. A média estadual é de R$ 3,99 – o preço médio no país varia entre R$ 3,45 no Amapá e R$ 4,85 no Acre. 

Entre os postos de Ponta Grossa, informa o levantamento, o combustível pode ser encontrado com preços a partir de R$ 3,59. O presidente da associação dos operadores dos postos de combustíveis de Ponta Grossa e região, Hélio Sacchi, atribuiu o baixo preço, na comparação com outras cidades, à livre concorrência praticada pelos empresários. “Tudo é questão de mercado”, resumiu. Com isso, afirmou ele, quem ganha é o consumidor.

Quanto ao etanol, uma alta também foi observada desde maio. O preço médio do litro que era de R$ 2,43, durante o mês de maio, subiu para R$ 2,56 em junho e agora chegou a R$ 2,73 no dia 20 de julho. Com isso, a alta média foi de 12,34% no período. Entre as outras 29 cidades pesquisadas, Ponta Grossa está na quinta posição entre os combustíveis mais baratos, atrás apenas de Foz do Iguaçu (R$ 2,64); Campo Mourão (R$ 2,65), Apucarana (R$ 2,70) e Assis Chateaubriand (R$ 2,72). Já o litro do mais caro do etanol está em Castro (R$ 3,01) e Cornélio Procópio (R$ 3,02).


Adequação de mercado gerou alta

Sobre a alta nos preços, houve uma readequação de mercado. O preço do combustível despencou no país com a queda na cotação internacional do petróleo, devido à queda no consumo mundial, em virtude do novo coronavírus. Além disso, o consumo de combustíveis no Brasil também caiu, em virtude do aumento do isolamento adotado desde o final de março. Agora, a alta nas vendas nos outros países, fez com que o preço do barril de petróleo subisse, assim como o consumo maior no Brasil, proporcionou a alta, em diversas altas anunciadas pela Petrobras desde maio.

PUBLICIDADE

Recomendados