Câmara aprova projeto de recuperação fiscal da Prefeitura de PG

Ponta Grossa

29 de julho de 2020 21:15

Afonso Verner


Relacionadas

Colégio realiza projeto preparatório para vestibular

ADM 2020 divulga resultado dos artigos selecionados

Fundação confirma o 105° óbito por Covid-19

Projeto Social de PG realiza congresso online para idosos
ICP têm programação alusiva ao Dia do Idoso
Candidatos destacam oportunidade de debater propostas para PG
“PG não pode silenciar diante do desmonte governista”, diz Professor Gadini
Foto: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

Iniciativa foi aprovada em primeira discussão e prevê renegociação de cidadãos e empresas que devem impostos ao municípios

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) aprovou, em primeira discussão, o projeto de lei (PL) 180/2020 que cria um projeto de recuperação fiscal na Prefeitura. De iniciativa do próprio executivo, o projeto fornece até 90% de desconto de juros e mora para cidadãos e empresas que devem recursos ao município. A medida busca garantir um reforço ao caixa do município diante da queda na arrecadação causada pela pandemia da covid-19.

O projeto prevê que as dívidas de impostos possam ser pagas via cartão de crédito e em até 12 vezes, no entanto os vereadores já adiantaram que devem apresentar uma emenda propondo que o parcelamento também possa acontecer em forma de carnê. “Nós sabemos que nem todo mundo tem acesso o cartão de crédito e é fundamental dar essa opção do carnê”, disse o vereador Sebastião Mainardes (DEM).

Em seguida, foi a vez do vereador João Florenal (PSD) destacar que a situação do comerciante é “complicada”. “Tenho visitado o comércio e vejo que os empresários estão sofrendo”, destacou Florenal. Por sua vez, o vereador Geraldo Stocco (PSB) afirmou que a iniciativa é “positiva”, além de ser similar (do ponto de vista legal) ao projeto da Prefeitura que cria uma linha de créditos para empreendedores - argumento rebatido pelos colegas.  

Ainda durante o debate, o ex-secretário de Governo, Maurício Silva (PSD), ressaltou que é havia um consenso no Governo de não realizar mais um projeto do tipo. “No entanto, o cenário da pandemia nos fez entender que é preciso rever aquela proposta de não realizar mais programas de refinanciamento”, explicou. Silva destacou ainda as complicações financeiras causadas pela pandemia também ao setor público. 

O projeto foi aprovado por 21 dos 22 vereadores presentes e apenas Eduardo Kalinoski (PSDB) votou contra. O parlamentar fez duras críticas à iniciativa e destacou que o projeto só existe “porque a prefeitura está quebrada”. “Lembro que o prefeito prometeu que não haveria mais Refis para nada e cá estamos nós novamente”, disse o parlamentar durante a sessão. 

Município sofre com queda de receitas

A crise econômica causada pela pandemia da covid-19 também causou problemas às receitas do município. Com a diminuição da circulação comercial, fechamento parcial do comércio e outros problemas, a arrecadação do município caiu. Ao mesmo tempo, demandas por serviços públicos, especialmente no setor de saúde, cresceram substancialmente nos últimos meses. Para amenizar o cenário, o município deve receber R$ 35 milhões em um repasse do Governo Federal. 

PUBLICIDADE

Recomendados