Advogado e escritor Wilson Comel morre em PG

Ponta Grossa

03 de agosto de 2020 13:52

Da Redação


Relacionadas

Colégio realiza projeto preparatório para vestibular

ADM 2020 divulga resultado dos artigos selecionados

Fundação confirma o 105° óbito por Covid-19

Projeto Social de PG realiza congresso online para idosos
ICP têm programação alusiva ao Dia do Idoso
Candidatos destacam oportunidade de debater propostas para PG
“PG não pode silenciar diante do desmonte governista”, diz Professor Gadini
Wilson Jerônymo Comel, morreu nessa segunda-feira (3), aos 90 anos, em Ponta Grossa Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Óbito foi confirmado no início da tarde desta segunda-feira (3) pela Academia de Letras Campos Gerais

O advogado e escritor Wilson Jerônymo Comel, morreu nessa segunda-feira (3), aos 90 anos, em Ponta Grossa. A informação é da Academia de Letras dos Campos Gerais, da qual ele foi o primeiro ocupante da cadeira número 8.

‘O acadêmico era muito querido por todos no meio acadêmico e será sempre lembrado por sua inteligência, bom humor, simpatia, cordialidade, além das qualidades como exímio escritor. Nossos sentimentos aos familiares’, diz a nota da academia.

Comel nasceu em 20 de junho de l930 em Lagoa Vermelha, Rio Grande do Sul, desmembrado em município de Nova Prata, depois Paraí, filho de Angelo Comel e Maria Busato Comel, ele alfaiate e ela do lar. Estudou no Colégio Nossa Senhora Medianeira, em Boa Vista do Erechim, RS, depois em Ponta Grossa, no Colégio Regente Feijó, e em Curitiba, no Internato Colégio Paranaense, onde concluiu o ginásio e o científico. No Internato, fez parte da Academia Anchieta (poesia e literatura) sob o pseudônimo Aristóteles, e Patrono Odorico Mendes (1947/1950). Foi Orador da Turma, quando de sua graduação no científico.​

Exerceu atividade jornalística no Diário dos Campos, em Ponta Grossa, em diversas épocas. Cursou a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, trabalhou no Banco Comercial do Paraná (depois Bamerindus, hoje HSBC), onde fundou O Bancial.

Foi agraciado, na UFPR, com o prêmio Professor Athos Morais de Castro Vellozo - melhor classificado no 5º ano (1957). Ainda em 1957, como Solicitador Acadêmico, demorou-se em Cruzeiro do Oeste, onde lecionou Latim no Ginásio Estadual, exercendo, além do mais, atividade de radialista e cronista na Rádio Difusora de Cruzeiro do Oeste. Em 1958 voltou a Ponta Grossa para exercer a advocacia.

Lecionou Economia Política na Faculdade de Direito (1959/1960); a seguir Direito Civil, até o ano de 2002. Ainda, deu aulas na Universidade Aberta para a 3ª Idade da UEPG, e na Escola da Magistratura do Paraná, Núcleo de Ponta Grossa, e Especialização em Metodologia do Ensino Superior, na UEPG.

Foi Árbitro no Juizado Especial de Pequenas Causas nos anos 1983 a 1985, Conselheiro Estadual e Federal da OAB/PR, Membro do Instituto dos Advogados/PR, Presidente da OAB, Subseção de Ponta Grossa, Membro do Conselho de Ensino e Pesquisa da UEPG – CEP, Presidente da Associação dos Professores, Região de Ponta Grossa, e ainda do Movimento Familiar Cristão, do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente do Município e do Serra Clube de Ponta Grossa. Recebeu Medalha Miguel de Quadros (OAB/PG - 2004) e Diploma 50 ANOS pelo exercício “ininterrupto e ilibado” da advocacia, da OAB/PR.

Além de sua produção técnica na área do Direito, desenvolveu atividade literária, com crônicas e artigos publicados em revistas, jornais e rádio: Imprensa Universitária da UEPG, Revista dos Tribunais, Revista da OAB, Revista do IAP/PR, Revista Jurídica da UEPG, Revista de Direito Civil e Processual Civil, jornal Diário dos Campos, Jornal da Manhã, O Estado do Paraná e Revista Advocatus (OAB/PG). Proferiu inúmeros discursos de paraninfo na Faculdade de Direito e pronunciamentos em comemorações solenes, públicas e privadas. É palestrante, debatedor, membro de Conselhos Editoriais e de Bancas Examinadores de concurso para o ensino superior na UEPG e na UEM. Publicou em 2019 a obra “Lagariço”, contendo crônicas, discursos e reflexões.

Foi eleito em 29 de abril de 2002 para a Academia de Letras dos Campos Gerais e tomou posse em 6 de agosto de 2002 como primeiro ocupante da cadeira nº 8, no Clube Ponta-Lagoa, sendo recepcionado por Luísa Cristina dos Santos Fontes.

Comel era casado com Nelsina Elizena Damo Comel, também integrante da ALCG, e deixou seis filhos: Neide, Denise, Marcos, Martha, Paola e Lorena.

PUBLICIDADE

Recomendados