Comércio de PG prevê grande movimentação hoje

Ponta Grossa

08 de agosto de 2020 09:21

Fernando Rogala


Relacionadas

Construtora entrega unidades atendendo público jovem

Prestes entrega residencial e se destaca junto ao público jovem

Setor empresarial de PG ganha novo grupo do 'BNI'

Comércio de PG se recupera e vendas crescem em julho
PG retorna ao limite prudencial de gastos com pessoal
Primeiro debate do 1º turno tem regras definidas
Elizabeth vai executar três novos lagos no Parque de Olarias
Apesar do grande fluxo de pessoas, restrições de horário e pessoas nas lojas deverão trazer queda nas vendas Foto: Arquivo/aRede
PUBLICIDADE

Apesar do grande fluxo de pessoas, restrições de horário e pessoas nas lojas deverão trazer queda nas vendas

Neste dia 9 de agosto, o segundo domingo do mês, é celebrado do Dia dos Pais. Tradicional data de grande movimentação no comércio, devido ao novo coronavírus, no acumulado da data, não há a perspectiva de alta nas vendas por parte dos comerciantes de Ponta Grossa. Pelo contrário: a expectativa é de queda na casa dos dois dígitos. Porém, ainda assim, os empresários reconhecem que a movimentação será intensa neste sábado, mas não o suficiente para reverter as perdas acumuladas. As lojas abrem, neste sábado, das 10h às 16 horas, de acordo com as restrições descritas no decreto municipal.

“Tradicionalmente o brasileiro deixa tudo para última hora, então o movimento amanhã vai ser bastante grande, talvez até de muvuca em certo horário, pelas restrições às lojas. Mas não vão passar as registradas no ano passado”, relata José Loureiro, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Ponta Grossa (Sindilojas PG). “Talvez haja uma queda de cerca de 10%, tanto pela questão do tempo que os estabelecimentos estarão trabalhando, pelo horário reduzido devido à pandemia, quanto pelo e-commerce, que houve um crescimento de pessoas que compram pela internet”, completou.

O empresário Régis Godoy, dono de uma rede de lojas no município (Maria Mariá), aponta uma grande queda nas vendas, na casa de 40%. Segundo ele, isso ocorre não por uma queda na intenção dos filhos presentear os pais, e nem por uma questão mercadológica de preços ou oferta de produtos, mas pela limitação descrita no decreto da última semana, com as medidas de combate e enfrentamento à covid-19. “Nosso maior problema é a redução de horário. Nós temos movimento, mas pela restrição de horário, e o fato de não poder haver aglomeração, nosso funcionários estão atendendo praticamente um cliente por vez. No ano passado, abríamos das 9h às 19 horas, então agora temos 4 horas a menos”, informou Godoy. “Pagamos luz, aluguel, funcionários e mídia de forma integral, mas vendendo 40% a menos. Isso inviabiliza os negócios”, lamenta.

Compras pela internet crescem

De acordo com a pesquisa anual realizada pela Fecomércio Paraná, há a perspectiva de uma queda no valor médio dos presentes que os filhos pretendem a dar para seus pais. Em 2019 esse valor era de R$ 116,89; enquanto que neste ano passa para R$ 111,47. Entre os entrevistados, 55% deverão gastar, no máximo, R$100,00. Sapatos e roupas serão as escolhas de 56,5% dos filhos. Para os pais mais vaidosos, 13,2% pretendem comprar um perfume ou cosmético. As compras pela internet serão a opção para 24,7% dos paranaenses.

PUBLICIDADE

Recomendados