Advogado diz que laudo inocenta homem acusado de estupro em PG

Ponta Grossa

14 de agosto de 2020 15:06

Afonso Verner


Relacionadas

Filho que queria usar drogas agride pai com socos em PG

PG lidera a geração de empregos no Paraná em 2020

Marcio Pauliki quer explorar o potencial turístico de PG

Mortos em lava car de PG são identificados
Em PG, pastor é preso suspeito de violentar a filha adotiva
PG pode ter clima de ‘deserto’ a partir desta quinta
Colisão entre veículos trava trânsito na Ernesto Vilela
Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

Luis Carlos Simionato Junior afirma que laudo do IML comprova que não houve conjunção carnal. Advogado apresentou habeas corpus em nome do rapaz preso

O advogado Luis Carlos Simionato Junior assumiu a defesa do homem de 32 anos de idade, preso em Ponta Grossa suspeito de abusar sexualmente de uma criança de 10 anos – a menina, vítima das agressões, é filha de uma mulher, de 25 anos, também presa pela Polícia Civil. Segundo Simionato, um laudo do Instituto Médico Legal (IML) comprovou que não houve conjunção carnal com a criança.

Segundo o advogado, ainda na tarde desta sexta-feira (14), outras contradições serão expostas sobre o caso. Simionato deve apresentar um pedido de habeas corpus à Justiça para tentar a liberdade do homem preso - o documento deve anexar o laudo citado pelo defensor, além de outros documentos que buscam comprovar a inocência do rapaz. 

A prisão do casal foi feita pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) no último dia 5 - ambos estão presos no Hildebrando de Souza (foto). Se, por um lado a defesa sustenta a inocência do homem, por um lado a Polícia Civil sustenta que a mulher, mãe da vítima, e o homem preso teriam cometido violência sexual contra a criança, além de ter obrigado a menina a presenciar relações sexuais entre eles.

PUBLICIDADE

Recomendados