Comércio de PG se recupera e vendas crescem em julho

Ponta Grossa

28 de setembro de 2020 19:49

Fernando Rogala


Relacionadas

PG tem mais 72 pessoas infectadas pelo coronavírus

Madero é multado por oferecer 'vantagens' a fiscais

Campanha do Agasalho distribui 96 mil peças à população

Motociclista fica ferido após acidente no Shangrilá
Conselho Empresarial inicia entrevistas com candidatos
Heineken abre inscrições para Programa de Estágio 2021
UBS realizam hoje 'Dia D' da Campanha de Vacinação
Setor de construção civil teve um crescimento na casa de 10% em julho, na comparação com 2019 Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Entre as seis regiões avaliadas pela pesquisa da Fecomércio, Ponta Grossa foi a única a ter saldo positivo, em relação a 2019


Ponta Grossa foi a única cidade, entre as grandes do Paraná, que teve desempenho positivo nas vendas do comércio varejista no mês de julho. Enquanto o Paraná teve uma retração de 6,08% nas vendas (média estadual), na comparação com julho de 2019, Ponta Grossa teve um incremento, elevando o faturamento em 0,24% no período, em números reais (já descontada a inflação do período). A informação consta na Pesquisa Conjuntural, realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens (Fecomércio) do Paraná, divulgada nesta segunda-feira (28).

Depois de Ponta Grossa, Londrina aparece com o segundo melhor resultado na comparação com julho de 2019, com uma queda de 4,63% nas vendas. No outro extremo está a cidade de Maringá, onde o faturamento do comércio teve uma baixa de 20,7% na comparação com julho de 2019. Curitiba e Região Metropolitana, o maior polo comercial do Estado, registrou uma baixa de 4,7%, na comparação com julho de 2019.

Entre os nove setores do comércio analisados em Ponta Grossa, cinco tiveram crescimento nas vendas. O maior destaque foi o setor de materiais de construção, que registrou um incremento de 10,3%, na comparação com o mesmo mês de julho de 2019. Também teve uma alta mais expressiva o setor de autopeças, na casa de 9,6%, seguida pelo setor de supermercados, que teve uma elevação de 7,25%. Ainda positivos estão os setores de farmácias (2,5%) e óticas/cine/foto/som (1,4%). Por outro lado, os quatro setores negativos são combustíveis (-11,7%), calçados (15,9%), vestuário e tecidos (-16,1%), e livrarias e papelarias (37,1%). 

No Estado do Paraná, o setor líder em vendas é o de móveis, decoração e utilidades domésticas, cujo incremento registrado é de 18,7%. Em Ponta Grossa, esse setor não foi avaliado, pois o número de amostra de empresários do segmento não foi suficiente para representar o setor – se não atinge essa mostra suficiente para representar o número de empresários do segmento, a pesquisa deixaria de ficar confiável, e por isso os números não são divulgados. 

José Loureiro, presidente do sindicado do Comércio Varejista de Ponta Grossa (Sindilojas PG) e secretário municipal de Indústria, Comércio e Qualificação Profissional, atribuiu o sucesso a dois pontos principais. “O agronegócio é muito forte em Ponta Grossa e foi muito positivo neste ano, os resultados foram muito bons. E também temos a força da indústria: somos muito industrializados. As indústrias não pararam, algumas demitiram, mas muitas já contrataram e estão contratando”, ressalta.


Desempenho anual é o melhor

No acumulado do ano, Ponta Grossa também se destaca, como a cidade que contabiliza a menor retração de vendas entre as seis regiões analisadas no Estado. Entre janeiro de julho, a queda no faturamento é de 3,94% em números reais. Depois de Ponta Grossa, a menor queda é de Curitiba e Região Metropolitana, na casa de 5,7%. O restante das regiões apresenta quedas superiores a 10%, estando os piores resultados na região Oeste (- 12,55%) e em Maringá (-19,5%). Loureiro atribuiu isso à política municipal, pois algumas cidades ficaram diversas semanas com as lojas fechadas na época da pandemia. “Tivemos apenas duas semanas de paralisação, e depois voltamos gradativamente com a abertura escalonada”, concluiu.

PUBLICIDADE

Recomendados