Orçamento de PG não permite promessa eleitoreira, diz Gadini

Ponta Grossa

29 de setembro de 2020 21:15

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

PG registra 43 novos casos da Covid-19 nesta segunda-feira

Rottas promove Dia das Crianças com roleta de prêmios

Decreto libera abertura das lojas em horário normal

Elizabeth quer implantar sistema para consulta médica por app
Prefeitura de PG lidera na geração de receitas no Sul
Prefeituráveis colocam ‘formiguinhas’ nas ruas de PG
Gadini promete abrir mão do salário e reinvestir valor na cidade
“Vamos economizar até no salário do prefeito”, exemplifica o Professor Gadini Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Os candidatos, Professor Gadini (prefeito) e Lineu (vice) do PSOL, acompanharam a divulgação da Lei Orçamentária Anual, apresentada na tarde desta terça-feira (29) na Câmara Municipal

“É preciso acabar com a farra de nomeações de cargos comissionados, inclusive em período eleitoral, na Prefeitura de Ponta Grossa, coisa que virou rotina ao longo das duas décadas recentes”, defendeu o Professor Gadini, após participar da Audiência Pública, na Câmara Municipal. Na ocasião, o secretário municipal de Finanças, Cláudio Grokoviski, mostrou a projeção orçamentária para 2021.

O candidato à prefeito pelo PSOL lembra que, entre as cidades médias e grandes do Paraná, Ponta Grossa é a que mais tem cargos comissionados nomeados pelo prefeito e, na maioria das vezes, “sem qualquer justificativa ou critério de interesse público”.

Atualmente, a Prefeitura mantém mais de 300 cargos comissionados, enquanto Londrina, Cascavel, Foz do Iguaçu e Maringá possuem um número inferior, quando comparadas por população e orçamento anual de cada município. De acordo com informações dos portais das prefeituras consultadas, Londrina estima um orçamento superior a R$ 2 bilhões, Maringá a R$ 1,7 bilhões e Foz do Iguaçu a 1,2 bilhão para 2021.

A proposta de recursos humanos do PSOL à Prefeitura considera um estudo elaborado pelo Sindicato dos Servidores Municipais, indicando que um corte de 60% no total de comissionados, além de aliviar a folha de pagamento, poderia abrir margem para garantir o pagamento de direitos dos trabalhadores concursados, que aguardam o cumprimento da legislação pelos prefeitos da Cidade, ao longo das últimas duas décadas.

Professor Gadini destacou, ainda, que embora a atual gestão de Ponta Grossa esteja comemorando um orçamento superior a 1 bilhão de reais para 2021, é preciso contextualizar e comparar com as demais cidades do Estado, que preveem orçamento bem superior ao estimado pela prefeitura de Ponta Grossa para o próximo ano.

“Vamos economizar até no salário do prefeito”, exemplifica o Professor Gadini, que, se eleito, vai manter a carreira de professor e, portanto, assume o compromisso de não receber salário como chefe do executivo local. “Nosso compromisso é por uma política como serviço comunitário e não uma forma de beneficiar cerca de 300 pessoas ou enriquecer algumas famílias que se revezam na prefeitura”, defende.

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados