“Reforma administrativa federal é desmonte”, diz Gadini

Ponta Grossa

30 de setembro de 2020 16:40

Da Redação


Relacionadas

Marca-passo: quando usá-lo e como é viver com o aparelho

Moradores encontram vizinho morto em PG

Expectativa é de movimentação nos parques no feriado

Grupo de resgate de animais de Ponta Grossa pede doações
Dia do Servidor: A menina da lavoura agora é a Ilza da Prograd
Polícia Ambiental solta veado resgatado em comércio em PG
Campanha de vacinação contra a pólio é prorrogada
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Candidato do PSOL à Prefeitura de Ponta Grossa afirma que Reforma Federal é “desmonte dos serviços públicos”

O candidato à prefeito do PSOL em Ponta Grossa, Professor Gadini, defende a valorização e o “respeito aos servidores públicos” como uma das propostas centrais da gestão municipal. Em entrevista realizada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ponta Grossa – SINDSERV, nessa segunda-feira (28), Gadini defendeu cortar 60% dos cargos comissionados e alertou sobre o ataque que a reforma administrativa (PEC 32/2020), proposta por Bolsonaro, representa para as cidades.

Professor Gadini defende valorização dos servidores públicos e alerta dos ataques da PEC 32/2020 que impactam diretamente a população mais carente das cidades.  

Segundo Gadini, combater a reforma administrativa “não é apenas pensar na sobrevivência de servidores públicos, que representam cerca de 8,5 mil trabalhadores e trabalhadoras em Ponta Grossa. O desmonte dos serviços públicos impacta diretamente no cotidiano das cidades, sobretudo na vida dos pobres. Essa PEC não é reforma, é desmonte do SUS que atende cerca de 80% da população em nossa cidade. A PEC é, portanto, um duro ataque aos direitos fundamentais”, denuncia o candidato.

O Professor reforça que o PSOL tem por princípio não desmontar serviços públicos e desafia os demais candidatos ao afirmar que a lógica da gestão pública é da dignidade e qualidade de vida das pessoas, não dos lucros.

Caso eleito, Professor Gadini não vai privatizar serviços públicos e os eventuais contratos que precisam ser respeitados serão devidamente fiscalizados. Sobre os cargos comissionados a proposta é cortar de 60% do quadro. Segundo levantamento do PSOL entre as cidades médias do Paraná Ponta Grossa tem o maior número de contratados nesse esquema.

“O SUS atende, por exemplo, cerca de 80% da população e isso precisa ser defendido e ampliado”, ressalta o candidato.

As informações são da assessoria. 

PUBLICIDADE

Recomendados