“PG não pode silenciar diante do desmonte governista”, diz Professor Gadini

Ponta Grossa

30 de setembro de 2020 18:40

Da Redação


Relacionadas

Filho de diretor do Operário é agredido em bar por torcedor

Sesc Paraná realiza evento em alusão ao Outubro Rosa em PG

Operação da PM resulta em oito motos apreendidas

UEPG ressalta papel dos médicos na pandemia
Empresário Zé Lievore morre em PG vítima da covid
PM salva jovem que ameaçava pular de viaduto em PG
Homem é agredido durante assalto no Jardim Carvalho
Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Candidato do PSOL fez manifestação no Dia Nacional em Defesa dos Serviços Públicos 

No Dia Nacional de Luta Unificada pelos Serviços Públicos, o candidato do PSOL à prefeitura de Ponta Grossa, Professor Gadini, faz um apelo à população para uma manifestação pública em defesa dos direitos dos servidores, tema que vem sendo demonizado pelo governo federal em “uma tentativa de desmontar os direitos sociais no Brasil”, afirmou o prefeiturável.

Para marcar a data de 30 de setembro, o candidato usou as redes sociais para relembrar o tema e convidar seguidores a também apoiar a luta contra a reforma administrativa federal, que, se aprovada no congresso, deve reduzir direitos sociais e encarecer os serviços gratuitos, como saúde e educação.

“É fundamental que todas as pessoas se manifestem, façam imagens dos serviços públicos com cartaz ou posts, pois é uma forma de defender o acesso aos principais serviços que a maior parte da população precisa, como educação e saúde”, destacou o candidato do PSOL.

Segundo Gadini, mesmo com a pandemia, é necessário combater a reforma do governo Bolsonaro, que faz parte de “um projeto de desmonte dos serviços públicos a curto prazo e sem volta, afetando a grande maioria da população”, diz.

Para Gadini, o 30 de setembro também registra um alerta à população de Ponta Grossa para assumir a responsabilidade pela defesa de serviços tão carentes na Cidade, especialmente por causa da desvalorização dos funcionários concursados na saúde e na educação e pela falta de plano para aumentar este contingente, ao mesmo tempo em que se garante a nomeação de mais de 300 cargos comissionados na administração local.

“Ponta Grossa não pode ficar calada diante do desmonte. Além dos serviços básicos que prestam atendimento 24 horas à população, é preciso informar e não acreditar em mentiras que atacam os servidores públicos, pois a meta dos defensores da privatização, seja em PG, Curitiba ou Brasília, é fazer com que serviços essenciais sejam fonte de lucro para alguns grupos empresariais”, explica o Professor. Confira aqui, o vídeo do Professor Gadini.

As informações são da assessoria. 

PUBLICIDADE

Recomendados