ACIPG pede atenção diante de mudanças promovidas por lei

Ponta Grossa

01 de outubro de 2020 13:40

Da Redação


Relacionadas

Veja qual é a agenda dos prefeituráveis nesta quarta (21)

Professora Elizabeth quer criar ‘Esquadrão Drone’ da GM

Hotel ibis será inaugurado na próxima segunda

Estudante dá dicas para passear com cães no Lago de Olarias
Cursos da UEPG são destaque em avaliação feita pelo Enade
Novo decreto em PG reduz restrições em diversas áreas
Mabel Canto quer inovar ao usar transporte por aplicativo
Um dos pontos que o empresário deve estar atento é que a Lei de Liberdade Econômica isenta alguns setores de um trâmite maior para a liberação de alvará de funcionamento, mas não o torna livre de obrigações. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Decreto municipal com a chamada 'Lei da Liberdade Econômica' altera trâmite para quem quer abrir seu próprio negócio

A lei nº 13.874, chamada de ‘Lei da Liberdade Econômica’, promoveu uma série de mudanças para quem irá abrir um novo negócio. Em Ponta Grossa, um recente decreto municipal se adequou à nova legislação nacional, e a coordenadora de Fomento ao Empreendedorismo e Inovação de Ponta Grossa, Tônia Mansani, esclareceu alguns itens da nova lei para a Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG), em reunião na última segunda-feira (28).

Um dos pontos que o empresário deve estar atento é que a Lei de Liberdade Econômica isenta alguns setores de um trâmite maior para a liberação de alvará de funcionamento, mas não o torna livre de obrigações. “A lei de Liberdade de Econômica inverteu a lógica, antes o município fazia a vistoria na empresa e a liberava, agora, houve uma classificação de atividades em três níveis. As 462 categorias incluídas no decreto publicado pela Prefeitura ficaram no risco 1 e não terão mais a obrigação de alvará, estão dispensadas de ato público, o que não quer dizer que não tenham que conhecer a legislação, ao contrário, o empresário assume o conhecimento da lei, o município confia no empresário”, explica Tônia Mansani. “É importante ficar atento às mudanças, o empresariado pode ser vistoriado a qualquer momento, ele precisa entender que tem que cumprir as regras. A responsabilidade do empresário é maior, de conhecer a legislação, saber o que o modelo de negócio dele exige, o que vai ter que atender para que não assuma algo que não possa cumprir”, complementa.

A facilitação de abertura de empresas e a adaptação das leis para o novo ambiente de negócios é uma das preocupações da ACIPG, que nos últimos anos vem trabalhando em conjunto para tornar a abertura de novas empresas em algo menos burocrático e mais célere. “Este é um desenvolvimento em conjunto, uma das ações do Comitê da Micro e Pequena Empresa do qual a ACIPG faz parte, e era uma das demandas que foram evidenciadas. Os dois últimos anos foram dedicados a isso, à simplificação da abertura de empresas, à simplificação da burocracia e à redução da carga para negócios que não possuem tanto risco. O que se espera agora é que o mais breve possível estes decretos sejam efetivamente implantados”, diz Juliano Kobellache, diretor de Micro e Pequenas Empresas da ACIPG.

Ainda que já esteja em vigor em âmbito federal e com adaptações na legislação municipal, a Lei de Liberdade Econômica ainda não está totalmente implementada em Ponta Grossa, e os trâmites para abertura de empresas ainda seguem sem alterações. Para quem já tem seu negócio constituído, também não há mudanças. “É importante destacar que existem passos para a implementação desta lei, o Ministério da Economia precisa validar as leis municipais e a Junta Comercial do Paraná também precisa dar o ok. Então, neste momento o trâmite segue o mesmo” afirma Tônia Mansani. Quem tiver dúvidas a respeito dos procedimentos e da nova legislação pode entrar em contato com o atendimento online feito pela Sala do Empreendedor.

A nova legislação e o decreto municipal que dispensa alvará para uma série de atividades no município tem como objetivo principal destravar o ambiente de criação de novas empresas e se adaptar às novas tecnologias. “Esta lei foi criada para dar celeridade, oxigenar o desenvolvimento, sobretudo em um momento importante, de retomada de crescimento. Ainda mais no mundo digital que tem tanta atividade, a ideia é dar fluxo. As 462 atividades liberadas de alvará no decreto municipal correspondem a 70% dos alvarás atuais, então esta nova lei vai dar agilidade”, diz Tônia.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados