PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara adia pela terceira vez debate sobre proposta polêmica

Ponta Grossa

05 de outubro de 2020 19:40

Afonso Verner


Relacionadas

Vila Velha anuncia retorno de antiga furna para turismo

Família procura jovem de 14 anos desaparecida em PG

MM ajuda ciclista que percorre o mundo com novo celular

39ª Fesuva inicia nesta segunda em PG no modelo drive thru
1º BPM realiza operação em municípios dos Campos Gerais
Prefeitura de PG explica problemas em vacinação
Mutirão no Centro de Eventos 'trava trânsito' em PG
Foto: Kauter Prado / CMPG
PUBLICIDADE

Proposta dos vereadores Felipe Passos (PSDB) e Sebastião Mainardes (DEM) e proíbe instalação de novos bares perto de faculdades

Os vereadores de Ponta Grossa retomariam nesta segunda-feira (5) a discussão sobre o projeto PL 455/2017 de autoria dos vereadores Sebastião Mainardes (DEM) Júnior e Felipe Passos (PSDB). Na prática, o projeto proíbe a comercialização de bebidas alcoólicas nas imediações dos estabelecimentos de ensino superior do município, impedindo a instalação de novos bares - o debate sobre o projeto foi adiado pela terceira vez. 

A medida tem gerado bastante discussão entre os membros da Câmara, mesmo sem ser votada. A principal justificativa dos vereadores favoráveis ao projeto de lei nº 455/2019 é em relação à perturbação de sossego. Conforme explicou Mainardes, a iniciativa é um pedido de comunidades acadêmicas quando ele estava à frente da Mesa Executiva da Câmara: professores, diretores de instituições e até alunos.

O projeto voltou à ordem do dia nesta segunda-feira (5) e saiu de vistas por 15 dias à pedido do próprio Felipe Passos - o pedido de vistas teve 12 votos favoráveis e outros seis contrários. O vereador afirmou que pediu vistas para apresentar uma emenda ao texto - o projeto já ganhou ajustes dentro da própria Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR). 

O pedido de vistas gerou protestos. O vereador Geraldo Stocco (PSB), por exemplo, sugeriu que Passos “retirasse o projeto do trâmite”. “Precisamos pensar em políticas públicas que fale sobre alcoolismo e não de projetos como esses”, disse Geraldo. Já o vereador Rudolf Polaco (PSL) foi contra o pedido de vistas.

“Se em dois anos não deu para fazer emenda, não vai dar mais tempo… tem que votar o projeto. Ninguém sabe se vai estar aqui ano que vem [ano de eleição]. Temos que colocar para votar e cada vereador vai ter que se explicar diante do seu eleitorado”, afirmou Rudolf. Já João Florenal (PSD) pediu que o projeto fosse engavetado “permanentemente”. 

PUBLICIDADE

Recomendados