Justiça Eleitoral indefere 13 candidaturas em PG

Ponta Grossa

14 de outubro de 2020 16:40

Afonso Verner


Relacionadas

PG supera 9 mil casos ativos e 247 óbitos pela Covid

Veja os detalhes do plano de vacinação em PG

Semana começa com grande volume de chuvas em PG

Em PG, desaparecimento de empresária completa um mês
PG prioriza investimento em tecnologia na área de segurança
Jovem encontrada no Lago de Olarias morre no hospital
Acidente deixa trânsito lento na Visconde de Mauá
Cidade tem 239.611 eleitores na disputa eleitoral de 2020 Foto: Otto Drone
PUBLICIDADE

Justiça segue avaliando candidatos à vereança. Na disputa pelo Executivo, apenas a candidatura de Professora Elizabeth aguarda julgamento

Daqui 30 dias, os 239.611 cidadãos aptos a votarem irão às urnas em Ponta Grossa. A um mês do pleito, a Justiça Eleitoral já indeferiu 13 pedidos de candidaturas ao Legislativo Municipal - a grande maioria do total de 454 candidaturas ainda aguarda julgamento por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entre os prefeituráveis, apenas a candidatura da Professora Elizabeth Schmidt (PSB) aguarda julgamento - as outras quatro candidaturas já foram deferidas pelo TSE.

Entre os candidatos indeferidos a maioria deles pertence ao PTC - entre os 15 canidatos registrados pelo partido, cinco deles (33,3% do total) tiveram os pedidos de candidatura indeferidos pela Justiça. Na prática, a decisão do Justiça basicamente inviabiliza a disputa da chapa do PTC - sem coligação, o partido terá que viabilizar sozinho a votação necessária para eleger um(a) representante. 

Em seguida, o partido com mais candidaturas indeferidas é o PDT - três dos integrantes da chapa tiveram o recurso negado pela Justiça. O PDT tem como principal nome da chapa o médico Doutor Magno Zanellato, atual vereador, candidato a deputado estadual em 2018 e liderança que sonhou com uma candidatura ao Palácio da Ronda em 2020, mas acabou desistindo. 

Por sua vez, o Partido dos Trabalhadores (PT) soma duas candidaturas negadas pela Justiça Eleitoral - a legenda tenta recuperar um espaço na Câmara Municipal já que, desde 2012, a legenda não elege representantes. Por fim, o PROS, o Republicanos e o Patriotas tem, cada um deles, um vereador(a) com pedido vetado pela Justiça Eleitoral para o pleito de 2020.

Na prática, sem coligações, os partidos tiveram que realizar chapas próprias, sem ‘apoio’ de outras legendas. Com isso, a falta de cada parlamentar traz prejuízos aos membros do grupo - os partidos terão que conquistar sozinho os votos para ‘transpor’ o quociente eleitoral e conseguir eleger representantes - em Ponta Grossa, o cálculo é que o quociente eleitoral seja em torno de 11 mil votos. 

Elizabeth aguarda ‘ok’ da Justiça Eleitoral

A única candidatura ao Palácio da Ronda que aguarda o ‘ok’ da Justiça é da professora Elizabeth Schmidt (PSD). Atual vice-prefeita de Ponta Grossa, a educadora já disputou um pleito em 2014, quando tentou se eleger deputada federal. Desde então, Elizabeth se elegeu vice-prefeita, além de ter comandado secretarias diversas da Prefeitura. Os pedidos de registro de Mabel Canto (PSC), Marcio Pauliki (SD), Professor Edson Armando (PT) e Professor Gadini (PSOL) já foram deferidos pela Justiça.

PUBLICIDADE

Recomendados