Homem que tentou matar mulher após cantada vai a júri

Ponta Grossa

16 de outubro de 2020 13:05

Da Redação


Relacionadas

Eleitores de PG começam a ir às urnas para definir nova prefeita

Três pessoas são mortas a tiros na região do Cará-Cará

Saiba o que é permitido e proibido neste domingo

Antes de sair de casa, consulte seu local de votação
Barroso pede que eleitores não deixem de votar
PG vai às urnas para escolher entre Mabel ou Elizabeth
Pandemia impede que 9,5 mil ponta-grossenses votem
Ainda não foi definida a data para realização do júri popular Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

José Carlos Rocha Junior foi indiciado por tentativa de homicídio quadruplamente qualificado contra Michele Carneiro de Santana, em maio deste ano

A 3ª Vara Criminal de Ponta Grossa acatou a denúncia do Ministério Público (MP) e determinou que José Carlos Rocha Junior seja submetido ao Tribunal do Júri. Ele é acusado de tentativa de homicídio quadruplamente qualificado contra Michele Carneiro de Santana, em crime cometido no dia 22 de maio deste ano.

Conforme a denúncia do MP, o crime ocorreu perto das 8h na rua Watt, no bairro Colônia Dona Luiza. O suspeito dirigia uma Fiat Uno sob efeito de álcool e drogas, segundo o MP, e teria assediado sexualmente a vítima. Como ela refutou a ‘cantada’, ele teria atropelado a mulher e, em seguida, agredido a vítima na cabeça.

O MP argumenta que a vítima só não morreu porque, durante as agressões, acabou desmaiando e o acusado acho que ela tinha perdido a vida naquele momento, fugindo logo em seguida. Assim que recobrou a consciência, ela pediu socorro e foi levada a um hospital da cidade. O suspeito foi preso preventivamente e permanece em regime fechado até o julgamento pelo Tribunal do Júri, que ainda não tem data para acontecer.

Foram estabelecidas quatro qualificadoras para a tentativa de homicídio. Além do motivo torpe, pela recusa da ‘cantada’, o MP também aponta o uso de meio cruel, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. O uso de meio cruel é caracterizado pelos diversos golpes que desferiu contra a cabeça da mulher, além de enforcá-la até que ela desmaiasse, “causando dor e sofrimento exacerbados à vítima”. O menosprezo à condição mulher caracteriza o feminicídio, enquanto o uso do carro para atropelar a vítima que andava a pé configura a utilização de recurso que dificulta a defesa da vítima.

O advogado Gustavo Madureira, que atua como assistente de acusação, alega que a vítima foi submetida a uma sessão de tortura e só não morreu por circunstâncias alheias à vontade do acusado. “Por causa das atitudes animalescas do acusado, [a vítima] teve diversas lesões no corpo, o rosto foi bastante machucado, seu joelho foi quebrado e teve que fazer duas cirurgias”, argumenta o jurista.

Além da tentativa de homicídio quadruplamente qualificado, o acusado também deve responder por furtar os objetos da vítima, fraude processual e por dirigir veículo com capacidade psicomotora alterada por uso de álcool e drogas. Caso ele seja condenado pelo júri popular, pode pegar pena superior a 20 anos de prisão em regime fechado.

PUBLICIDADE

Recomendados