Alunos da UTFPR desenvolvem máscaras especiais em PG

Ponta Grossa

27 de outubro de 2020 13:50

Da Redação


Relacionadas

Definidas urnas eletrônicas serão auditadas em PG

Vítimas do triplo homicídio são identificadas

Missa encerra ações da Pastoral do Idoso em PG

Mabel Canto vota de manhã no Colégio Polivalente
Elizabeth registra voto no Colégio Presidente Kennedy
Eleições no segundo turno seguem tranquilas em PG
Três pessoas são mortas a tiros no Cará-Cará
demanda para tal projeto surgiu durante a entrega da doação de 120 protetores faciais, do tipo face shield, à UPA Foto: Divulgação/UTFPR
PUBLICIDADE

Projeto utiliza impressão 3D na adaptação de máscaras de mergulho para pacientes com COVID-19

Nem toda ideia precisa partir do zero para ser inovadora e funcionar muito bem. Exemplo disso é o mais novo projeto em desenvolvimento no Câmpus Ponta Grossa, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, que adapta máscaras de mergulho snorkel com impressão 3D para auxiliar na ventilação pulmonar e bem-estar de pessoas com problemas respiratórios derivados da COVID-19.

A demanda para tal projeto surgiu durante a entrega da doação de 120 protetores faciais, do tipo face shield, à UPA - Unidade de Pronto Atendimento, do bairro Santa Paula. Nesta visita os envolvidos com o projeto assumiram a oportunidade de contribuir ainda mais com a comunidade através do desenvolvimento e prototipagem de peças para viabilizar, em pequena escala, a produção de um Método de Ventilação Não-Invasiva (VNI) a partir de uma máscara de mergulho snorkel. “Essa máscara tem por objetivo tratar pacientes que estão com déficit na saturação de oxigênio sanguínea, por conta de estarem contaminados pela COVID-19, sem a necessidade de partir diretamente para a intubação”, explica o estudante Victor Dimbarre, membro do laboratório responsável pelo projeto.

Com esse Método VNI, casos menos graves poderiam não ser intubados e utilizariam desse sistema para recuperação do paciente. O aluno do último ano de Engenharia Mecânica ainda salienta que “esse sistema gera uma pressão positiva no rosto do paciente, bem como faz o isolamento do mesmo; sendo assim, quando o paciente tem tosse todos os gases (aerossóis) por ele expelidos ficam em um sistema fechado para ser descartado posteriormente com passagem por filtros, diminuindo o risco de infecção por pessoas próximas e pela equipe médica que está realizando seus cuidados”. Com esta solução a equipe destaca que é possível, com custos reduzidos, ter um cuidado diferenciado ao fazer o tratamento de pacientes com a COVID-19.

As peças necessárias para transformar uma máscara de mergulho em equipamento direcionado ao setor de saúde estão sendo confeccionadas em PLA (Poliácido Láctico), através de manufatura aditiva no processo de impressão 3D, no Laboratório de Meios Porosos e Eficiência Energética (LabMPEE), do Departamento Acadêmico de Mecânica (DAMEC) da UTFPR Câmpus Ponta Grossa, sob coordenação do prof. Thiago Antonini Alves. Esse projeto conta ainda com a participação dos alunos de Engenharia Mecânica Victor Vaurek Dimbarre e Pedro Leineker Ochoski Machado.

 

PUBLICIDADE

Recomendados