Pardal fala de seus 22 anos de trabalho na Fescon UEPG

Ponta Grossa

28 de outubro de 2020 10:20

Da Redação


Relacionadas

Professora Elizabeth anuncia ‘nova era’ na Prefeitura de PG

Gravidez na quarentena: pré-natal pode ser feito em casa

Bombeiros resgatam cão em poço de quatro metros em PG

PM registra três assaltos em PG no domingo de eleições
Mabel ‘repete’ a votação de Aliel no 2º turno em 2016
Jocelito elogia Mabel: “Parabéns pela coragem!”
Rangel sinaliza “reconciliação” com grupos adversários
PUBLICIDADE

Márcio Kudrik, servidor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) há 22 anos, trabalha na Fazenda Escola Capão da Onça desde que entrou na instituição

Aos 44 anos, ele comemora o tempo dedicado à instituição. “Faço aniversário bem no dia do professor, 15 de outubro. Este ano, completei 44 anos de vida e 22 anos de trabalho na Fazenda Escola, ou seja, é metade da minha existência aqui”. Conhecido como Pardal pelos colegas, Kudrik é natural de Cândido de Abreu e veio com a família para Ponta Grossa quando tinha apenas três anos.

No município, cresceu no meio rural e aprendeu a cuidar da terra ainda na infância. “Quando chegamos na cidade, a empresa na qual o meu pai trabalhava cedeu uma chácara para ele. Todos nós ajudávamos na horta, plantação de milho e feijão. Dessa forma, eu criei um vínculo com a terra”, conta. No primeiro emprego, Pardal trabalhou no Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar), em uma fazenda modelo. “Foi onde tive os primeiros contatos com os animais de grande porte e com os maquinários usados na plantação”.

Ingressou na UEPG em 1998, após prestar concurso para trabalhar como técnico administrativo. “Fiquei muito feliz ao ver o resultado e saber que passei. Gosto do serviço que realizo, tanto que estou aqui até hoje”, diz. “Quando comecei na Fazenda Escola, eu só conhecia a parte básica, que era dirigir trator e roçar a terra, mas com o tempo, fui aprendendo novas técnicas e adquirindo conhecimento. Os funcionários que já estavam no local ensinavam os mais novos e eu tive a sorte de trabalhar ao lado deles quando entrei”.

Na Fazenda Escola, o servidor é encarregado da seção de produção vegetal e de armazenamento. “Eu cuido do campo, plantio, colheita, pulverização e organizo a parte estética da fazenda”. Pardal é responsável pelas duas safras anuais que há no local. No plantio de inverno, que vai de maio a julho, há a plantação de aveia e trigo, com colheita em outubro e novembro, e na safra de verão, a equipe planta soja, feijão e milho, que são colhidos em março e abril. “A soja e o trigo nós enviamos para a indústria. Uma parte do milho é vendida e a outra parte retorna à Fazenda Escola para a fabricação de ração. O feijão é destinado para o consumo no restaurante universitário da UEPG, Hospital Universitário Regional, Hospital Universitário Materno-Infantil e Centro Rural Universitário de Treinamento e Ação Comunitária (Crutac)”, explica.

Maria Marta Loddi, administradora da Fazenda Escola, elogia a dedicação do servidor e afirma que Kudrik é um dos funcionários mais ativos do local. “O Pardal, apelido carinho que ganhou dos colegas, é o meu braço direito. Ele se preocupa com a Fazenda Escola e está sempre atento, seja nos finais de semana ou feriados. A Fazenda está dentro do coração dele”, enfatiza. “O Márcio é responsável pela parte agrícola, mas se precisarmos de ajuda na parte administrativa, ou pecuária, ele está sempre disponível. Devido ao bom relacionamento que tem com as pessoas, ele é um elo entre nós do escritório, os pesquisadores e as assessorias das empresas que mantêm convênio com a universidade”, afirma Maria Marta.

De acordo com Kudrik, um aspecto especial da profissão está na oportunidade de trocar informações com docentes e acadêmicos da UEPG. “Eu tenho muito contato com os alunos e professores e eles são maravilhosos comigo. Há um compartilhamento entre nós, eles passam o conhecimento que adquirem em sala de aula e eu tiro algumas dúvidas sobre a questão prática quando é preciso. Além de aprender, eu sempre busco ajudar da melhor forma possível”. O agente universitário também destaca o papel da reitoria na Fazenda Escola. “O reitor, a cada passo, vem acompanhar o trabalho que realizamos, ver como estamos e visitar as instalações. Ele se preocupa com os funcionários. Logo, vamos ganhar um novo alojamento que está em fase de construção. Essa é uma reivindicação antiga e que a atual gestão vai atender”.

Pai de dois filhos e uma filha e avô de um menino de quatro anos, Pardal agradece pelas oportunidades. “Nós sabemos que não está fácil nesse período de pandemia e eu sou muito grato pelo emprego que tenho. O sustento da minha família sai daqui e tudo o que eu conquistei até hoje foi graças à UEPG”, destaca.

Informações UEPG

PUBLICIDADE

Recomendados