Grandes obras em PG geram mais de R$ 7,3 mi em ISS

Ponta Grossa

30 de outubro de 2020 20:27

Fernando Rogala


Relacionadas

Elizabeth responde comentários de seguidores do portal aRede

Mulher de 65 anos é a 160ª vítima da Covid-19 em PG

Mabel Canto responde comentários de seguidores do portal aRede

Ponta Grossa bate novo recorde de casos da Covid
Mabel e Elizabeth lutam por maioria na Câmara de PG
PG tem 2º turno inédito para eleger primeira prefeita da história
Beto Preto diz que Paraná está perto do colapso
Obras iniciadas recentemente, como esta na BR-376, na altura do Contorno Leste, irão gerar dividendos ao município Foto: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

Valor foi recolhido entre 2019 e 2020. Maior parte dos recursos foi fruto da ampliação de indústrias e de obras de infraestrutura 

Grandes obras de construção civil estão impulsionando a arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS) em Ponta Grossa. Os investimentos realizados em expansão de indústrias, infraestrutura e em linhas de transmissão, garantiram mais de R$ 7,3 milhões aos cofres públicos desde o ano passado. Esses aportes contribuíram para o crescimento da geração desse imposto, que se tornou a segunda maior fonte de receitas municipais, beirando os R$ 101 milhões no acumulado do ano passado. E, neste ano impactado pelo coronavírus, contribuirão para que não haja retração no recolhimento deste tributo, não havendo queda nesta receita – diferente do que deve acontecer na maior parte das cidades brasileiras. 

“Esse crescimento na construção, quando grandes indústrias faz ampliações, ou há grandes obras de infraestrutura, isso faz com que o município tenha reflexos diretos, e o ISS fica para o município onde o serviço foi feito. Diferente do ICMS, que gera valor adicionado para no próximo ano gerar um índice, o ISS já é gerado quando começa a obra”, ressalta Claudio Grokoviski, secretário municipal de Fazenda em Ponta Grossa. Além dessa receita, que segundo ele passa a compor a caixa do município e é destinado especialmente para saúde e educação, Claudio também destaca a mão de obra, a qual contribui para a alta geração de emprego na cidade, como mostram os números do Caged. 

Os maiores valores recolhidos neste período, referente a essas obras de construção, são de indústrias. Heineken, DAF e Madero repassaram, aos cofres municipais, o montante de R$ 4,63 milhões, apenas referente às ampliações executadas nestes últimos 20 meses. Entre elas, o maior valor foi recolhido pela cervejeira Heineken, um total de R$ 2,18 milhões, que investe na ampliação da produção de cerveja na cidade, seguida pela DAF, com R$ 1,56 milhões. Já o Madero recolheu R$ 877,6 mil no período. “Ampliação da Heineken rendeu a maior geração de ISS retido: Em dois anos foram gerados quase R$ 2,2 milhões, que é um impacto muito grande. Neste caso, a Heineken retém o imposto da construtora que presta serviço, e repassa ao município”, esclarece o secretário.

Outras obras que geraram ISS no município foram de infraestrutura da Rodonorte (R$ 1,54 milhão), e as linhas de transmissão, de energia elétrica, realizadas pela Engie, que resultaram R$ 1,18 milhão. Caso seja ampliado esse período, para 2017, há duas obras de residenciais, realizados pela Prestes, que entram na lista: o Vittace Jardim Carvalho, que rendeu R$ 480 mil desde 2018, e o Vittace Uvaranas, que rendeu R$ 310,3 mil desde 2017.


Perspectiva é de alta no recolhimento em 2021

Até o momento, o município recolheu R$ 84 milhões em ISS, informa Claudio Grokoviski, Com esse montante, ele acredita que o valor recolhido em 2019 seja, pelo menos, igualado. “Certamente vai ficar acima de R$ 100 milhões e vai equilibrar com o ano passado. O ISS cresce em dezembro, porque as pessoas viajam mais e consomem mais serviços, além das indústrias trabalharem em um ritmo maior de produção no fim do ano, o que vai contribuir para que o ISS cresça”, diz. Além disso, ele prevê uma maior intensidade de recursos das obras da Souza Naves, e trincheiras na BR-376 e na PR-151. “O valor referente ao trabalho de outubro na Souza Naves, por exemplo, vamos receber em 20 de novembro”, diz. Para 2021 o secretário revela novo acréscimo: a entrada do ISS referente às transações dos cartões de débito, crédito e leasing, que vai ficar no município onde foi feita a transação/operação. Caso seja o valor integral, Claudio estima alta de R$ 10 milhões.

PUBLICIDADE

Recomendados