PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Perfil: Conheça o prefeiturável Professor Gadini

Ponta Grossa

13 de novembro de 2020 21:00

Afonso Verner


Relacionadas

Em PG, UTI's estão com 100% de ocupação

Associação Comercial questiona fiscalização a comerciantes

Tenente dos Bombeiros explica atropelamento em vila de PG

Adolescente é atropelado e fica em estado gravíssimo em PG
Procon orienta sobre bloqueio de ligações de telemarketing
Empresários do comércio querem venda por delivery
Cesta básica passa a custar R$663,67 em Ponta Grossa
Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Pesolista volta à disputa pela Prefeitura de Ponta Grossa com o mote “mudar de verdade” e defesa de projeto de renda mínima

O jornalista e professor universitário Sérgio Gadini volta a representar o PSOL na disputa pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG). Gadini estreou na vida pública em 2016, quando disputou o cargo de prefeito e conquistou a votação mais expressiva do PSOL na cidade, com mais de 12 mil votos. Em 2020, o PSOL aposta numa chapa pura, com o também professor Lineu Kieras como vice, e com o mote de “mudar de verdade”. 

Em 2020, Gadini volta à cena pública liderando a chapa do PSOL e discutindo o projeto de cidade do partido. Docente de carreira da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Gadini tem apostado no discurso de “mudança de verdade” para apresentar visões alternativas sobre problemas da cidade. 

O PSOL aposta, por exemplo, na criação de um banco municipal solidário que emprestaria dinheiro a juro zero para pequenos empresários. Além disso, o partido destaca a criação de um programa de renda básica para a população mais vulnerável, com base no Cadastro Único, o CADÚnico, do Governo Federal. 

Gadini também liderou a campanha mais barata entre os demais prefeituráveis. Durante todo o período, o candidato do PSOL destacou a simplicidade da campanha e o respeito às regras de distanciamento social necessárias diante da pandemia da covid-19 - o partido não fez carreatas, mas apostou em panfletagens e outras ações do tipo. 

Além disso, para driblar o pouco tempo de rádio e TV (o partido tinha apenas 23 segundos em blocos de 10 minutos), Gadini apostou no uso das redes sociais, ‘vitaminado’ por conteúdos impulsionados na fase final da campanha, tentando atingir os chamados indecisos.

PUBLICIDADE

Recomendados