Em PG, ‘bolsonarismo’ perde força na eleição de 2020

Ponta Grossa

16 de novembro de 2020 15:02

Afonso Verner


Relacionadas

Tudo que você precisa saber sobre a vacinação em PG

PM detêm quatro pessoas com cocaína em Uvaranas

'Ponta Grossa está preparada para a vacinação', diz Elizabeth

Casa é destruída após incêndio criminoso no Ouro Verde
Regional de Saúde recebe 'reforço' de insumos para vacinação
Butantan vai suspender acordos de vacinação com prefeituras do Paraná
Motorista é preso após engavetamento na Aldo Bonde
Bolsonaro esteve na cidade na pré-campanha em 2018 e arrastou uma multidão às ruas da cidade Foto: Agência Brasil
PUBLICIDADE

Apoiadores diretos do presidente da República tiveram dificuldades para se eleger. A maioria deles não conquistou os votos necessários

A onda conservadora que elegeu vários parlamentares aliados ao presidente Jair Bolsonaro em 2018 parece ter perdido força em Ponta Grossa. Um dia após o pleito municipal, ao se observar a composição da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG), e das duas chapas que farão o segundo turno na disputa pela Prefeitura, nota-se uma diminuição na presença de bolsonaristas declarados nestes dois grupos. 

Quando se observa a formação do Legislativo Municipal para a Legislatura entre 2021-2024, nota-se que dos 19 vereadores eleitos, apenas três têm uma maior ligação com a pauta bolsonarista. Entre os próximos vereadores, Leandro Bianco (Patriotas) e Missionária Adriana Jamier (Solidariedade) têm um maior alinhamento com o presidente, inclusive com postagens nas redes sociais em prol de Bolsonaro.

Um terceiro parlamentar com alinhamento ao grupo bolsonarista é Soldado Pastor Ezequiel (AVANTE), reeleito para o terceiro mandato. Assim como o presidente, Ezequiel é ligado ao setor religioso, pela atuação na igreja, e tem forte ligação com o setor da Segurança Pública, inclusive sendo da reserva da Polícia Militar (PM).

Na disputa pelo Poder Executivo, a onda bolsonarista também perdeu força. Boa parte do grupo apoiador do presidente estava reunido em torno do projeto de Marcio Pauliki (SD) e Ricardo Zampieri (Republicanos), mas a dupla acabou em terceiro lugar e ficou de fora do segundo turno. 

Outros candidatos ligados à pauta do presidente, como Klaiton Direita Ponta Grossa (Republicanos), conquistaram votações abaixo do esperado. No caso de Klaiton, liderança que ganhou destaque durante as manifestações de rua, a votação para vereador foi de 345 votos. 

Proximidade com ideias de Felipe Passos

Por mais que siga carreira pública pelo PSDB, Felipe Passos é outro parlamentar que tem ideias semelhantes às de Bolsonaro. Ligado à Renovação Carismática Católica (RCC), Felipe é conhecido pelas posições conservadoras e pautas religiosas apresentadas no Legislativo Municipal desde que assumiu a cadeira em 2017. 

Representatividade 

Na Legislatura eleita em 2016, a representatividade do bolsonarismo era maior. Dos 23 vereadores que atuam na Câmara, ao menos seis deles têm forte ligação com a pauta bolsonarista, entre eles Ricardo Zampieri (Republicanos), principal representante do campo do presidente em Ponta Grossa.

PUBLICIDADE

Recomendados