PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

5 fatos históricos da eleição de Ponta Grossa em 2020

Ponta Grossa

19 de novembro de 2020 16:44

Afonso Verner


Relacionadas

Rapaz tem fratura exposta no fêmur após acidente em PG

PM recolhe CNH de condutora após colisão em PG

Vítima de acidente com moto na Ronda é identificada

Jovem que se acidentou na Ronda morre no hospital
Prefeitura quer 100% dos ônibus circulando em PG
Diretores da ACIPG se reúnem com secretários para discutir decretos
VCG pede revisão da tarifa do transporte coletivo
Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Quarto maior colégio eleitoral do Paraná, Ponta Grossa teve uma eleição municipal com várias novidades e fatos históricos

A eleição de 2020 em Ponta Grossa teve aspectos históricos quando comparada aos outros pleitos eleitorais. Com 466 candidatos(as) a vereador(a) e cinco chapas disputando o comando da Prefeitura, ao menos cinco fatos podem ser considerados históricos na disputa eleitoral princesina. Abaixo são listados cinco acontecimentos dignos de nota na disputa por poder local. 

1 - Estreia de mulheres na disputa pela Prefeitura

A disputa de 2020 tem grandes feitos femininos. O maior deles talvez seja a presença de duas mulheres na disputa pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG). A estreia nas mulheres ocupando o cargo de candidatas a prefeita foi feita por Mabel Canto (PSC) e Professora Elizabeth (PSD) - duas candidatas com trajetórias e caminhadas políticas distintas. 

2 - Eleição feminina recorde para a Câmara Municipal

Se houve mais mulheres disputando o cargo de prefeita, também há mais mulheres eleitos na disputa por uma cadeira no Legislativo. Pela primeira vez na história, o Legislativo Municipal terá três mulheres na mesma legislatura: Missionária Adriana Jamier (SD), Joce Canto (PSC) e Josi + Coletivo (PSOL). A eleição de Josi, do PSOL, também é histórico: esse foi o primeiro cargo conquistado pelo PSOL no Paraná. 

3 - Impulsionamento nas redes sociais

Pela primeira vez, o pleito de 2020 também permitiu o impulsionamento de conteúdos nas redes sociais. No caso ponta-grossense, o prefeiturável que mais gastou com isso foi Marcio Pauliki (SD) com empenho de mais de 48 mil reais apenas no período de Campanha. Em seguida está Elizabeth Schmidt (PSD) com R$ 11 mil e Mabel Canto (PSC) com R$ 2,4 mil. Além disso, os cinco candidatos à Prefeitura (Pauliki, Elizabeth, Mabel, Professor Edson do PT e Professor Gadini do PSOL) mantiveram contas ativas nas três redes sociais mais usadas: Facebook, Instagram e Twitter. 

4 - Segundo turno feminino e único no Brasil

A presença de Mabel e Elizabeth na disputa pelo comando da Prefeitura também provocou outro fato histórico: a advogada e a professora farão o único segundo turno exclusivamente feminino no Brasil. Enquanto Mabel destacou durante o primeiro turno propostas voltadas à mulher, Elizabeth é um dos principais expoentes da presença na mulher na política princesina, tendo iniciado sua carreira no ano 2000.

5 - Crescimento histórico de brancos, nulos e ausentes

Um quinto fato histórico é menos positivo para a prática democrática e também fruto da pandemia da covid-19. Ponta Grossa registrou um número recorde de votos brancos, nulos e de ausências (pessoas que não foram votar) no pleito de 2020. Entre votos brancos, nulos e abstenções, ao todo somam-se 74.055 eleitores (30,9% do total do eleitorado) - esse cálculo leva em conta os votos brancos e nulos na disputa para prefeito(a). 

PUBLICIDADE

Recomendados