Lei trará economia na conta de água do ponta-grossense

Ponta Grossa

23 de novembro de 2020 15:40

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Comitê Gestor avalia impactos da covid em PG

PM prende suspeito de manter mulher em cárcere privado

Homem é executado com tiros na cabeça em PG

Câmara de PG publica novas nomeações e exonerações
Projeto 'Missão Calebe' realiza ações voluntárias em PG
Paulo Balansin quer diminuir número de vereadores em PG
Tânia Sviercoski visita delegacia da Polícia Federal em PG
Com a aprovação em dois turnos, o projeto segue para a sanção do prefeito Marcelo Rangel (PSDB) que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar o texto Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Texto de Ricardo Zampieri (Republicanos) foi aprovado pelo Legislativo e permite a instalação de “eliminador de ar” da tubulação 

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) aprovou nesta segunda-feira (23), em segunda discussão, o projeto de lei (PL) 135/2018 do vereador Ricardo Zampieri (Republicanos). A iniciativa do parlamentar obriga a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) a instalar eliminadores de ar da tubulação de novas unidades consumidoras da cidade. A intenção do vereador é que o consumidor deixe de pagar por ar ao invés de água. 

Com a aprovação em dois turnos, o projeto segue para a sanção do prefeito Marcelo Rangel (PSDB) que tem 15 dias úteis para sancionar ou vetar o texto. “Esperamos que o prefeito sancione o projeto de forma imediata, a população precisa que esse mecanismo entre em vigor o mais rápido possível. Não se pode mais pagar por ar como se fosse água”, diz Ricardo. 

O projeto de Ricardo prevê que a instalação do equipamento possa ser feita pela empresa, pelo consumidor ou por profissionais autônomos. O texto diz rege ainda que os equipamentos instalados sejam patenteados para evitar instalações irregulares. "Visitando as vilas vemos o cúmulo de notar hidrômetros rodando sem que aquela casa tenha fornecimento de água, ou seja, o consumidor está pagando por ar", diz Ricardo.

O texto de Ricardo prevê que os novos hidrômetros instalados após a aprovação da lei devam já contar com o eliminador de água, sem qualquer custo adicional para o consumidor - o texto do projeto dá um prazo de 90 dias para que a lei seja colocada em vigor. "O que não podemos mais aceitar é o consumidor pagar por ar ao invés de água. Esse mesmo eliminador de ar já é permitido em Maringá", defende Ricardo.

Conscientização da população

O texto aprovado pela Câmara prevê ainda que materiais publicitários da Sanepar, como também a própria fatura de água, tragam informações sobre o eliminador de ar da tubulação durante os três anos seguintes à publicação da lei. "Estudos mostram que o uso desse eliminador de ar da tubulação diminui a conta de água em 20% a 40% em residências. Isso deixa claro que nosso consumidor tem pago por ar e não por água", diz Ricardo Zampieri.

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados