Veja o custo do voto na disputa pela Prefeitura de PG

Ponta Grossa

23 de novembro de 2020 15:59

Afonso Verner


Relacionadas

Para fugir da PM, rapaz entrega drogas para adolescente em PG

Sesc Estação Saudade abre edital do ArteSesc 2021

Missão Calebe realiza ações de auxílio social em PG

Regional de PG deve vacinar 11,5 mil pessoas na 1ª fase
Toque de recolher volta a ser desrespeitado em PG
Rapaz leva tiro na perna e polícia busca autores em PG
PG soma mais duas mortes por covid-19 neste domingo
Levantamento mostra custo-benefício de cada prefeiturável na disputa em Ponta Grossa Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Levantamento mostra “custo” de cada voto dividindo os gastos de campanha com a votação obtida por cada prefeiturável no 1º turno

Desde 2012, o cidadão comum pode ter acesso, de forma facilitada, às contas eleitorais de cada candidato(a), seja ele postulante a qualquer cargo público, de presidente da República a vereador(a). Essa ‘facilidade’ também provocou maior transparência na prestação de contas de cada postulante a cargo público. Com base nos dados de campanha, a redação do Portal aRede e Jornal da Manhã realizou uma comparação entre os gastos de campanha de cada prefeiturável e os votos obtidos pelas chapas no 1º turno. 

A intenção é conseguir apresentar uma espécie de “custo-benefício” de cada campanha. Para tanto, são levados em conta os gastos declarados até a última sexta-feira (20) divididos pelos votos obtidos por cada chapa que disputou o comando da Prefeitura de Ponta Grossa no primeiro turno. O cruzamento de dados apresenta informações relevantes sobre o custo de cada voto. 

A chapa que tem o melhor custo-benefício é a do PSOL, composta pelo candidato a prefeito, Professor Gadini, e pelo vice, Professor Kieras. A dupla investiu R$ 2.027,76 na campanha, tendo a organização de campanha mais barata entre as cinco chapas, enquanto obteve 5.029 votos (3,04% dos votos válidos). Neste caso, o custo por voto foi de apenas R$ 0,40.

O segundo melhor custo-benefício entre gastos de campanha e votação foi obtido pela primeira colocada do primeiro turno, Mabel Canto (PSC) que tem como vice Pietro Arnaud (PSB). Os dados da campanha mostram que a organização investiu R$ 129.657,29 e obteve 61.702 votos (37,27% dos votos válidos). Neste caso, para cada voto conquistado, o investimento da chapa foi de R$ 2,10.

Últimos colocados na disputa, Professor Edson (PT) e Pastor João Carlos (PCdoB) tiveram o terceiro melhor custo-benefício. Os dados mostram que a campanha da dupla no primeiro turno recebeu um investimento de R$ 15.782,33, enquanto a chapa obteve 2.959 votos no último dia 15 de novembro (1,79% dos votos válidos). Neste caso, o custo para cada voto recebido foi de  R$ 5,33.

Segunda colocada no pleito e também avançando ao segundo turno, a Professora Elizabeth Schmidt (PSD), tendo como vice Capitão Saulo (também do PSD), declarou um gasto de R$ 547.671,33. Ao mesmo tempo, a dupla obteve 51.565 votos no primeiro turno (31,15% dos votos válidos). Neste caso, para cada voto obtido o investimento da campanha representou um investimento de R$ 10,62.

Por fim, a dupla Marcio Pauliki (SD) e Ricardo Zampieri (Republicanos) teve o menor custo-benefício na relação gasto de campanha e voto. Terceiros colocados no primeiro turno, Pauliki e Zampieri declararam um gasto de campanha de R$ 937.998,85, obtendo 44.301 votos (26,76% da votação válida). Neste caso, para cada voto conquistado a campanha investiu R$ 21,17.

PUBLICIDADE

Recomendados