Obras do aeroporto serão concluídas em dois anos

Ponta Grossa

24 de novembro de 2020 17:25

Fernando Rogala


Relacionadas

Moradores de PG encontram ouriço em bairro

Moradores de rua tomam conta de praça em PG

Acidente com três veículos deixa mulher ferida em PG

Catadora de recicláveis de PG pede ajuda para tratar câncer
Cão de faro da PM encontra drogas e homem é preso
Ponta Grossa tem 7.985 candidatos inscritos no Enem
PM flagra festa com 150 pessoas em casa noturna de PG
Novo terminal de passageiros será construído Foto: Cristiano Barbosa
PUBLICIDADE

Governo Federal autorizou, nesta segunda-feira, a licitação de R$ 35,28 milhões para o aeroporto de Ponta Grossa. Prazo para execução das obras é de dois anos

O município de Ponta Grossa está autorizado a realizar o procedimento licitatório das obras de melhorias na infraestrutura do aeroporto Comandante Antonio Amilton Beraldo, o Sant’Ana. O anteprojeto do Aeroporto Regional de Ponta Grossa foi aprovado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) e o Ministério de Infraestrutura liberou o município a licitar as obras, orçadas em R$ 35,28 milhões. Desse valor, R$ 35 milhões foram liberados pelo Governo Federal, com recursos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), no âmbito do Programa de Investimentos na Aviação Regional PINAR, cabendo ao município uma contrapartida no valor de R$200 mil a ser suplementado. Depois de pronto, conforme o Plano Aeroviário Nacional, o aeroporto terá potencial para operar mais de 200 mil passageiros por ano.

Agora, o município trabalha na elaboração do texto da concorrência para a licitação. A meta, de acordo com o superintendente aeroportuário, Victor Hugo de Oliveira, é licitar nos próximos dias, para ainda neste ano já ter a empresa vencedora, que será a responsável pelas obras. “Queremos, tão logo, ter o ganhador. A ideia é que a empresa ganhadora comece a executar a obra o quanto antes for possível. Assim que houver essa definição, vamos sentar junto com a construtora para definir um cronograma de obras, de modo que elas também não interfiram no funcionamento do aeroporto”, explica Oliveira, destacando esse fato de que a meta é não fechar o aeroporto para os voos comerciais durante a execução dessas obras.

Conforme o Plano de Trabalho assinado entre a Prefeitura e o Ministério de Infraestrutura, o investimento irá contemplar a execução de três obras principais: a construção de uma nova taxiway (a ‘estrada’ que liga a pista de pouso e aterrissagem ao terminal de passageiros); a reforma e ampliação do pátio de aeronaves; e a construção de um novo terminal de passageiros (com mais de 2 mil metros quadrados) e serviços complementares. O termo de compromisso firmado ainda prevê a execução em dois anos, cujo prazo final em 29 de maio de 2023.

Com o projeto autorizado para ser licitado, o superintendente destaca todo o trabalho do município para que fosse possível esse investimento. É um trabalho iniciado há anos, e que demandou de um grande esforço, desde 2018, para elaborar o melhor projeto possível para que fosse aprovado. “Ficamos dois anos indo a Curitiba, praticamente toda semana, para montar esse projeto. A secretaria municipal de Planejamento e a secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística nos ajudaram muito, para montar tudo o que precisava, e ajustar da forma que precisava”, ressaltou, lembrando que é um projeto modelo na modalidade BIM. “Foram cinco ajustes no anteprojeto, através de ajustes, até chegar a essa fase final”, conclui.


Município fará algumas obras

Conforme o parecer do Ministério da Infraestrutura, o município, além da contrapartida financeira, deverá fazer uma série de ajustes, tais como, ‘ajuste do acesso viário, conclusão das obras de faixa de pista para operação IFR, cerca operacional, relocação da EPTA, dentre outros. Restando no orçamento a demolição/transporte de material demolido da edificação’. Segundo Victor Oliveira, a EPTA (Estação Prestadora de Serviço de Telecomunicações e de Tráfego Aéreo) será transferida para uma sala no atual terminal de passageiros, o ajuste na via já está previsto. “Quanto ao IFR, nós já estamos operando uma cabeceira (8) IFR, então é para não tirar as características hoje já existentes, e deixar de acordo para a operação. E estamos trabalhando também para homologar a outra cabeceira IFR”, completou.

PUBLICIDADE

Recomendados