Elizabeth quer ampliar política de proteção animal

Ponta Grossa

24 de novembro de 2020 17:40

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Rapaz leva tiro na perna e polícia busca autores em PG

PG soma mais duas mortes por covid-19 neste domingo

HU-UEPG desmente “fake news” sobre colapso em PG

Dois rapazes são atacados a tiros na saída de casa em PG
Mulher é presa com mais de 11 quilos de drogas em PG
Morte de Paulão da Trem Fantasma comove PG
Toque de recolher: fiscais encontram nove bares abertos
"Quero ampliar os programas que já temos, as castrações conveniadas com as clínicas particulares", citou Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Candidata do PSD quer fortalecer o diálogo com as entidades e protetores independentes

Foi trabalhando o cuidado animal como política pública nos últimos anos que Ponta Grossa garantiu muitos avanços na proteção animal. Este trabalho já foi reconhecido, inclusive, em duas ocasiões com o Prêmio Cidade Amiga dos Animais, da organização World Animal Protection. Para garantir que esta questão continue avançando em Ponta Grossa, a candidata Professora Elizabeth (PSD) vai ampliar essas ações e programas e fortalecer o diálogo com as entidades e protetores independentes.

“O prêmio que conquistamos este ano se deve a implantação de um programa de residência multiprofissional com 14 médicos veterinários, que atuam diretamente com o público das UBS, conscientizando a população sobre a posse responsável, cadastrando para castrações e atuando de forma integrada com outros profissionais da saúde. Somado a isso, também estamos executando os projetos VetAmigo, o Castramóvel e o importantíssimo trabalho do Centro de Referência para Animais em Risco [CRAR] e a Patrulha Animal. Cuidado animal também é política pública, por isso queremos fazer ainda mais”, explica Elizabeth.

O CRAR é o ambiente transitório onde animais resgatados passam por tratamento, recebem vermífugos, são microchipados e aguardam adoção. Os projetos Castramóvel e Vet-Amigo vêm garantindo a castração de animais de rua, resgatados por protetores independentes ou de famílias de baixa renda, como forma de controlar a população de animais de rua, além de diminuir este número a longo prazo. Além desses projetos, a política pública também prevê ação integrada com a Guarda Municipal, que recebe as denúncias de maus tratos.

“Somado a isso, sabemos também que os protetores independentes realizam um trabalho muito importante no cuidado dos animais em nossa cidade, muitas vezes atendendo animais que poder público não consegue contemplar. Quero ampliar os programas que já temos, as castrações conveniadas com as clínicas particulares, o trabalho do Castramóvel nos bairros e o trabalho do CRAR, de recuperação e resgate de animais. E também fortalecer o diálogo com os protetores, para juntos construirmos a melhor política para os animais”, aponta. 

Informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados