PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Pandemia muda relação de crianças com a tecnologia

Ponta Grossa

10 de outubro de 2020 11:49

Da Redação


Siga o a rede no Google News

Relacionadas

‘Prof. Marli’ deixa as salas de aula após 46 anos

Partes do Centro de PG estão sem água neste domingo

Corrida na Roça tem inscrições abertas da Etapa Mercenários

Vítima de acidente trágico na Souza Naves é identificado
GM atende ocorrência de agressão na 'Praça dos Polacos'
Vários veículos atropelam e matam pedestre em PG
Projeto ‘Médicos na Rua’ acontece em PG neste domingo
Foto: EBC
PUBLICIDADE

Sem aulas e com mais tempo dentro de casa, crianças tendem a passar mais tempo em smartphones, computadores e videogames

A mudança na vida das famílias foi drástica e repentina. De uma hora para a outra, milhões de crianças deixaram de ir para as escolas e agora estão em casa e em isolamento, onde a tentação pelos dispositivos tecnológicos acaba atraindo os jovens cada vez mais para smartphones, computadores e videogames. Embora a tecnologia tenha se mostrado fundamental especialmente nesse período, oferecendo diversas oportunidades de socialização com amigos e familiares e também com novas formas de aprender e brincar, essa nova realidade também apresenta desafios para os pais.

Com essa nova realidade, o ambiente digital surge com duas principais funções: manter o aprendizado o mais próximo possível do ideal e também a de manter crianças e adolescentes próximos dos amigos. Esses dois aspectos são fundamentais para o desenvolvimento da criança, tanto pedagógico quanto cognitivo. As escolas agora encaram o desafio de manter engajado um público que tem milhões de distrações ao alcance de um clique.

Para que a relação com a tecnologia seja saudável, não basta apenas controlar o tempo de tela, já que essa forma de mensurar o relacionamento entre criança e ambiente digital não é o mesmo em todos os casos. Uma hora de aulas e interação com os amigos e familiares não tem o mesmo efeito de uma hora jogando online ou assistindo vídeos. Portanto, os pais devem entender que as atividades com tela não devem ser todas colocadas na mesma prateleira. Afinal de contas, algumas são passivas e irrelevantes, enquanto outras são educativas e interativas, ou até mesmo para diversão.

Para integrar-se à vida dos filhos, os pais podem aproveitar esse maior tempo de tela para conhecerem mais sobre a vida online de seus filhos. Conversar sobre os jogos favoritos, desenhos, filmes e aplicativos mais usados por eles podem reaproximar pais e filhos e levar a discussões mais importantes, como as opiniões deles sobre alguns assuntos e a importância de se proteger de experiências negativas.

PUBLICIDADE

Recomendados