Rangel reitera: “nós não vamos fechar o comércio da cidade”

Ponta Grossa

01 de dezembro de 2020 10:48

Da Redação


Relacionadas

Sindicato pede adiamento do retorno às aulas

Setor hoteleiro de PG registra mudança no perfil de hóspedes

Condor inicia venda de ovos de Páscoa nesta quarta

Beetools traz novidades para 2021 e oferta bolsa de estudos
Sorrifácil Ponta Grossa realiza a 2° Jornada do Implante
Supermercado abre 181 vagas de emprego em PG
Cobra aparece em condomínio e apavora moradores de PG
Prefeito quer se reunir com ACIPG e representantes do setor de eventos para debater medidas Foto: Arquivo aRede
PUBLICIDADE

Prefeito garante que doença está sob controle e quer ampliar fiscalização; HU-UEPG atingiu 100% de lotação na UTI nesta segunda-feira

O prefeito Marcelo Rangel (PSDB) voltou a afirmar nesta terça-feira (1º) que não vai mandar fechar o comércio de Ponta Grossa, apesar do aumento nos casos de covid-19 nas últimas semanas. Durante a apresentação de seu programa de rádio, o gestor municipal garantiu que não haverá restrições, mas pretende ampliar a fiscalização para garantir que as medidas de higiene sejam seguidas nos estabelecimentos comerciais, principalmente neste fim de ano.

O Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU-UEPG) divulgou comunicado nesta segunda-feira (30) informando que estava com todos os 30 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) da ala Covid-19 ocupados – 27 dos 34 leitos de enfermaria também estavam ocupados no fim da tarde. Apesar disso, o tucano disse que a preocupação agora é garantir que as medidas de prevenção sejam seguidas.

“Com o passar do tempo, foram diminuindo os casos e as pessoas foram vivendo normalmente. Já tem evento sem máscara, as pessoas estão entrando nas lojas sem máscaras, e ninguém está condenando porque as pessoas precisam viver”, explica o prefeito. “Agora que está aumentando [o número de casos] tem que começar a cobrar de novo. Se trabalhar com bom senso, a gente consegue segurar essa segunda onda”, avalia.

O radialista também disse que deve se reunir nesta terça com representantes do setor de eventos e também com a diretoria da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG) para que os empresários intensifiquem a fiscalização dentro de suas lojas. A proposta é evitar uma alta significativa no número de pacientes que precisem de atendimento hospitalar e, assim, provocar um colapso no sistema de saúde do município.

Rangel também frisou que, além do HU-UEPG, referência no atendimento de casos de covid-19 na região dos Campos Gerais, Ponta Grossa também tem outros hospitais com dispõem de leitos de UTI. “Nós temos o Hospital [do Coração] Bom Jesus, temos a [Hospital Geral] Unimed, a Santa Casa, o Hospital Municipal e até o novo São Camilo, todos estão atendendo”, garante o prefeito. “E se chegar ao limite de Ponta Grossa, nós ainda temos a região metropolitana de Curitiba. Ainda estamos monitorando, mas com serenidade. Nada de pânico nesse momento”, completa.

O grande problema nesse caso é que a região metropolitana de Curitiba já encara problemas sérios e o sistema de saúde está próximo de colapsar. Nesta segunda-feira (30), o presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana (Assomec) e prefeito de Fazenda Rio Grande, Marcio Wozniack, informou que pelo menos 50 pacientes com diagnóstico da Covid-19 estão no aguardo de vagas de UTI em hospitais da região.

“São números alarmantes e que nunca alcançamos durante a pandemia. Praticamente 100% de todos os nossos hospitais de referência estão ocupados com casos de Covid-19, então é um dado alarmante, assustador e que nos chocou. Dos 50 pacientes que estariam na lista de espera por vagas, a maioria não tem previsão de conseguir um leito, o que é muito grave”, disse Marcio Wozniack.

Com informações da Banda B.

PUBLICIDADE

Recomendados