PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Pessoas de 15 a 19 anos são maioria de mortes violentas entre jovens

Ponta Grossa

14 de março de 2020 11:28

Da Redação


Relacionadas

Programa prevê prazo para regularização de dívidas

Queiroga tem covid e ameaça vinda de Bolsonaro a PG

Cresol abre agência ao público nesta quarta-feira

Acidente entre van e dois caminhões fere 12 na BR-373
Santa Casa recebe aparelho de ultrassonografia
PG recebe a unidade número 50 do Giraffas no Sul
PG abre novo agendamento de 2ª dose da Astrazeneca
Foto: EBC
PUBLICIDADE

Dados do Cadê Paraná também mostram que crianças de 10 a 14 anos são a maioria das vítimas de violência sexual em Ponta Grossa

Criado para divulgar dados relevantes a respeito da situação de crianças e adolescentes do Paraná em diversos aspectos, o Cadê Paraná apresenta dados alarmantes sobre o número de jovens que perdem a vida em circunstâncias violentas (homicídios, suicídios e acidentes). Em 2016, dado mais atualizado do sistema, 31 pessoas de 0 a 19 anos morreram em uma dessas três situações somente no município de Ponta Grossa.

Conforme o estudo, naquele ano foram nove jovens mortos em acidentes e outros 20 assassinados na cidade, além de dois outros casos de suicídio. Conforme o estudo, a idade com o maior registro de mortes violentas compreende jovens entre 15 e 19 anos, tanto nos casos de trânsito como nos crimes de homicídio. No primeiro índice, foram seis mortes nesta faixa etária, com outras duas ocorrendo com crianças entre 10 e 14 anos e apenas uma com uma bebê de menos de um ano de vida.

Já nos casos de assassinatos, foram 17 pessoas mortas com idades entre 15 e 19 anos, e o mesmo número de vítimas nas outras duas faixas etárias já citadas. O índice de pessoas mortas entre o fim da adolescência e o início da vida adulta corresponde, portanto, a 80,6% do total de óbitos violentos entre crianças e adolescentes em Ponta Grossa – a taxa é um pouco abaixo da média estadual, que aponta 84,5% de jovens de 15 a 19 anos no Estado perderam a vida de forma violenta em 2016.

O Cadê Paraná também chama a atenção para outra situação crítica envolvendo adolescentes e crianças: a violência sexual. Dos três crimes listados pelo serviço, o estupro é o caso mais recorrente tanto em Ponta Grossa quanto no Paraná. E nestes dois universos, a idade mais comum entre as vítimas está na faixa dos 10 aos 14 anos. Dos 54 estupros de vulneráveis contra criança e adolescentes ocorridos em 2017 (dados mais recentes no sistema) em Ponta Grossa, 26 foram cometidos contra pessoas nestas idades. Outros 11 casos tiveram vítimas entre 1 e 4 anos, sete com crianças de 5 a 9 anos e mais dez estupros tiveram vítimas entre 15 e 19 anos.

Em todas as faixas de idade, as meninas foram a maioria entre as vítimas. Oito crianças do sexo feminino entre 1 e 4 anos foram estupradas em 2017 e o mesmo número foi registrado nas vítimas entre 15 e 19 anos. Entre as crianças com idade variando entre 5 e 9, quatro eram meninas, enquanto o maior índice foi, de longe, o de meninas de 10 a 14 anos vítimas de estupro, com 25 casos confirmados.

*Cadê Paraná auxilia na criação de políticas públicas*

O Cadê Paraná, desenvolvido pelo Centro Marista de Defesa da Infância, é uma plataforma que facilita o acesso a dados e promove ações de incidência política com foco nos direitos de crianças e adolescentes do estado do Paraná. O sistema Parte da premissa de que a análise de informações é fundamental na transformação das suas condições de vida.  Com a ferramenta tecnológica é possível visualizar, medir e analisar dados oficiais dos 399 municípios do estado, distribuídos em oito dimensões. Os indicadores monitorados são atualizados periodicamente, de acordo com a informação mais recente das bases oficiais. Alguns deles, desagregados por ano, gênero, idade, cor ou raça, e situação domiciliar, o que permite identificar com maior precisão quem se encontra em desvantagem e gerar evidências para a defesa de direitos. 

PUBLICIDADE

Recomendados