PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Elizabeth ampliou votação em mais de 70% para fazer história em PG

Ponta Grossa

03 de dezembro de 2020 19:20

Afonso Verner


Relacionadas

Bem Estar inaugura nova loja no centro de PG

Carreta do Conhecimento oferta curso gratuito em PG

Conheça a Car PG Automóveis parceira da aRedeNegócios

Embelleze oferta cursos com preços imbatíveis em fevereiro
Consaúde abre inscrições de programa para gestantes
Paulo Balansin celebra parceria em prol de PG
Küller amplia combate às motos barulhentas em PG
Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Professora do PSD conseguiu aumentar votação em 70,52% do primeiro para o segundo turno, fazendo história ao ser eleita a primeira prefeita da história da cidade

Primeira prefeita eleita na história de Ponta Grossa e também a primeira candidata a ‘virar’ uma eleição, ficando em segundo no primeiro turno e assumindo a primeira colocação no segundo turno, Professora Elizabeth Schmidt (PSD) aumentou a votação obtida em 70,52% para sair vitoriosa no último domingo (29). O cálculo leva em conta a votação conquistada por Elizabeth no primeiro turno comparada aos votos conquistados na segunda etapa da eleição.

No primeiro turno, Mabel Canto (PSC) obteve 61.702 votos, ficando em primeiro lugar. Em seguida, Professora Elizabeth (PSD) obteve 51.565 votos e o terceiro lugar ficou com Marcio Pauliki (SD) que somou 44.301 votos. Ainda no primeiro turno, Professor Gadini fez 5.029 votos e Professor Edson (PT) conquistou outros 2.959. Quando compara-se a votação obtida por Elizabeth nos dois turnos, é possível notar o avanço da prefeita eleita.

Na segunda fase da eleição, Elizabeth conquistou 87.932 votos, 36.367 a mais em relação à primeira etapa do pleito – o avanço representa um crescimento de 70,52% do primeiro para o segundo turno. Já Mabel também cresceu, mas em ritmo bem mais modesto: a deputada estadual conquistou 79.929 votos no segundo turno, um total de 18.227 a mais que a primeira fase da eleição, representando um aumento de 29%.

Quando soma-se a votação obtida por Elizabeth e Mabel na segunda etapa do pleito, nota-se que as duas tiveram juntas uma votação excedente de 54.594 em relação ao primeiro turno. O número é maior, por exemplo, que a soma dos votos dos candidatos Marcio Pauliki (SD), Professor Edson (PT) e Professor Gadini (PSOL). Isso também mostra que o índice de votos brancos e nulos caiu em relação entre o 1º e o 2º turno.

Outro dado interessante é que no segundo turno houve uma queda de 2,44% no número de votantes, ao mesmo tempo que houve um aumento de 1,39% nos votos válidos. O segundo turno teve um total de votantes de 179.956 (2,44% a menos que o primeiro turno). Ao mesmo tempo que a segunda fase do pleito teve 167.861 votos válidos, somando 2.305 votos válidos a mais que no primeiro turno e representando um aumento de 1,39% nos votos válidos.

Na prática, a segunda fase do pleito teve menos cidadãos votando branco ou nulo. No segundo turno houve 4.439 cidadãos que optaram pelo voto em branco (43,3% a menos que no primeiro turno) e outros 7.656 que optaram por votar nulo (30,8% a menos do que os votos em branco no primeiro turno).

Foi a partir deste cenário que Elizabeth fez história de forma dupla: sendo a primeira prefeita eleita em Ponta Grossa e sendo a primeira candidata do município a ir ao segundo turno na segunda colocação e conseguindo virar o pleito e vencer.

Cidadãos deixaram de votar branco ou nulo

Os dados mostram que como houve uma alta de 1,39% no número de votos válidos, isso significa dizer que das pessoas que que anularam ou votaram em branco no primeiro turno, 2.305 agora votaram em Mabel ou em Elizabeth. Esse cálculo leva em conta que todos os eleitores que votaram alguém no primeiro turno, também continuaram votando em alguma das candidatas na segunda fase do pleito, ou seja, tendo um “voto válido”. 

PUBLICIDADE

Recomendados