PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Suplentes aguardam composição do secretariado de Elizabeth

Ponta Grossa

07 de dezembro de 2020 20:01

Afonso Verner


Relacionadas

Homem morto a tiros no Costa Rica é identificado

Quatro homicídios em uma semana assustam PG

Dois homens são atingidos por tiros após homicídio

Homem é executado a tiros no núcleo Costa Rica
Vila Velha anuncia retorno de antiga furna para turismo
MM ajuda ciclista que percorre o mundo com novo celular
39ª Fesuva inicia nesta segunda em PG no modelo drive thru
Vinícius e Maurício tem chances; Caso de Rudolf é mais complicado Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Candidatos suplentes podem assumir cadeiras dependendo da composição do secretariado da próxima prefeita

A composição do secretariado da próxima prefeita de Ponta Grossa, Professora Elizabeth Schmidt (PSD), pode alterar a composição da Câmara Municipal na próxima legislatura. Como é de praxe, a prefeita eleita pode convidar vereadores(as) para comporem o secretariado da próxima gestão. Até o momento, Elizabeth garantiu apenas o nome do secretário de Fazenda e servidor de carreira, Claudio Grokoviski, para a próxima gestão. 

Entre os vereadores no posto de suplente a situação mais complicada é a de Rudolf Polaco (PSL). Ex-líder de Governo e ex-diretor da Agência do Trabalhador durante o primeiro mandato de Marcelo Rangel (PSDB), Rudolf migrou para o PSL e mesmo com 2.883 votos, sendo o sexto mais votado, ficou de fora - a única cadeira do PSL ficou com Doutor Zeca, o mais votado. A hipótese de Zeca ser chamado para compor a gestão e Rudolf assumir a cadeira é basicamente nula. 

O segundo suplente com maior votação é Maurício Silva (PSDB). No mandato anterior, Silva passou por parte da Legislatura como Secretário de Governo e em 2020 fez 2.405 votos, mas acabou no posto de suplente. No caso de Silva, há a expectativa que Elizabeth convide algum dos vereadores do PSDB para compor o secretariado e abra espaço para Maurício - os tucanos elegeram Doutor Erick (novato) e Felipe Passos (reeleito para o segundo mandato). 

O caso mais provável é o de Vinícius Camargo (PSD). Atual líder do Governo na Câmara Municipal, Vinícius ficou como primeiro suplente da chapa do PSD após conquistar 1.939 votos - votação bem superior a conquistada por ele em 2016, quando viabilizou o primeiro mandato na Câmara. O PSD elegeu Daniel Milla, Paulo Balancin e Divo - a principal expectativa de Vinícius é que um dos três eleitos seja chamado ao secretariado ou que o próprio Camargo receba o convite. 

No caso de Professor Careca (PSB), dono de 1.656 votos, a situação é mais complexa. Careca é membro da chapa do PSB que elegeu Geraldo Stocco, segundo mais votado, além de Edi Pimentel e Izaías Salustiano. No entanto, o grupo deverá atuar como oposição à gestão de Elizabeth é é pouco provável que um dos eleitos seja convidado para compor o secretariado da Professora. 

Suplentes podem ser alocados em outros cargos

Vereadores que não conseguiram a reeleição podem também compor a gestão de Elizabeth Schmidt (PSD), se não no secretariado em algum cargo de comissão na administração da professora. Apoiadores do grupo como Rogério Mioduski e João Florenal (ambos do PSD) foram candidatos a vereador, ambos buscando um novo mandato, e também acabaram de fora da próxima legislatura da Câmara Municipal de Ponta Grossa - Mioduski já havia ficado como suplente em 2016, mas atuou em boa parte do mandato no lugar de Maurício Silva. 

Fim das coligações

O pleito de 2020 foi o primeiro em que houve proibição de coligações para a disputa por vagas nos legislativos municipais. Desta forma, o suplente vem sempre do mesmo partido e não de outra legenda - quando haviam coligações, o suplente de um vereador(a) poderia ser um candidato(a) de qualquer outra legenda. 

PUBLICIDADE

Recomendados