PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Câmara só vai analisar denúncia contra Passos em fevereiro

Ponta Grossa

08 de janeiro de 2021 14:41

Afonso Verner


Relacionadas

PG confirma 7 novos casos e 3 mortes por covid-19

Ponta Grossa terá repescagem de vacinação contra a covid-19

‘Vale dos Trilhos’ fortalece a inovação em Ponta Grossa

Click lança linha de crédito para alinhadores invisíveis
Mercados abrem neste feriado até às 20 horas
Motociclista fica ferido após colisão com automóvel em PG
Apoiadores de Bolsonaro planejam mobilização em PG
Legislativo só retomará sessões em fevereiro Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Denúncia de assédio e ‘rachadinha’ deverá ser analisada pela Corregedoria da Casa, órgão que ainda será formado por cinco vereadores(as)

A Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG) só deverá analisar a denúncia contra o vereador Felipe Passos (PSDB) em fevereiro. O tucano, reeleito para o segundo mandato em 2020, foi denunciado por um ex-assessor e pelo ex-chefe de gabinete de assédio sexual e ‘rachadinha’, termo que se refere à suposta devolução ilegal dos salários dos assessores ao parlamentar. 

A redação do Jornal da Manhã e Portal aRede procurou o presidente do Legislativo, Daniel Milla (PSD). O parlamentar destacou que a denúncia, feito pelo ex-prefeito Marcelo Rangel (PSDB), que também é presidente do partido na cidade, será analisada pela Corregedoria. “A denúncia foi recebida via protocolo geral e está na Procuradoria da Câmara”, disse Milla.

Na prática, como o Legislativo está de recesso, a denúncia contra Passos só terá prosseguimento interno em fevereiro, quando retornam às atividades na Câmara. Já na primeira sessão ordinária, marcada para o dia 17 de fevereiro, os vereadores irão compor a Corregedoria, formada por cinco parlamentares e responsável pela apuração de denúncias como esta. 

“O presidente da Câmara, neste momento, não pode e nem deve emitir nenhuma opinião. Devo apenas dizer qual é o procedimento interno previsto no regimento”, destacou Milla. Dentro da Corregedoria, os vereadores podem arquivar a denúncia, emitir uma advertência ou mesmo pedir a cassação de Felipe Passos.

Através do advogado, Fernando Madureira, o vereador tucano negou todas as acusações e afirmou ser alvo de uma armação política.

Saiba mais:

Vereador de PG nega assédio e 'rachadinha'

PUBLICIDADE

Recomendados