PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Empossado, Valtão volta a ter direito a salário de vereador

Ponta Grossa

20 de janeiro de 2021 18:20

Afonso Verner


Relacionadas

Motorista é ejetado de veículo em acidente na BR-376

Ultrapack oferece opções de decoração para festas natalinas

'Treme Terra Race' movimenta mais de mil pessoas em PG

Festa com menores de idade é encerrada em Ponta Grossa
Quadrilha espalha terror em bairro de Ponta Grossa
Grave acidente mobiliza equipes de socorro na BR-373
Jovem desacata PM e vai parar na delegacia de Ponta Grossa
Foto: Arquivo / aRede
PUBLICIDADE

Mesmo usando tornozeleira eletrônica, Walter José Souza tomou posse do mandato e retoma ‘direitos’ de vereador

Uma decisão judicial assinada pela magistrada Erika Watanabe autorizou o vereador Walter José de Souza, o Valtão (PRTB), a tomar posse do mandato na Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG). A posse foi realizada das 10h às 11h desta quarta-feira (20) na sede do Legislativo Princesino e a Central de Monitoramento que acompanha o paradeiro dos presos em regime domiciliar foi avisada do compromisso de Valtão.

Empossado oficialmente, Valtão volta a ter os direitos de vereador, como o salário - o subsídio dos parlamentares em Ponta Grossa soma um valor bruto superior a R$ 10 mil. Já de posse do mandato, Valtão volta a ter direito ao salário e deve receber proporcionalmente em janeiro, ou seja, deve receber um terço do salário neste mês, como manda o regimento interno.

Além disso, os assessores de Valtão e o chefe de gabinete seguem com empregados - caso Valtão não tomasse posse, os três funcionários até então nomeados no gabinete do parlamentar acabariam exonerados. Valtão foi preso na operação Saturno, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado, no dia 15 de dezembro e, em depoimento, chegou a admitir que recebeu R$ 15 mil em propina mediada pelo empresário João Barbiero. 

O parlamentar ficou preso inicialmente na Penitenciária Estadual de Ponta Grossa (PEPG) e depois foi transferido à Colônia Médica Penal (CMP) em Pinhais, região metropolitana de Curitiba. O presídio ficou nacionalmente conhecido por receber presos famosos detidos pela Operação Lava Jato, como empreiteiros e políticos influentes.

Em janeiro de 2021, Valtão foi liberado para cumprir prisão domiciliar usando tornozeleira eletrônica. Além dele, outros empresários presos na operação também cumprem prisão domiciliar usando tornozeleira eletrônica. Depois da cerimônia de posse de Valtão, a assessoria de imprensa da Câmara emitiu uma nota esclarecendo alguns pontos sobre o procedimento realizado nesta manhã.

Câmara emite nota sobre posse de Valtão

Na nota, a Câmara informa que, através de autorização judicial apresentada pelo parlamentar, concedida pela juíza Érika Watanabe, em pedido feito pelo vereador Valter José de Souza, o mesmo tomou posse para assumir o mandato como vereador, para o qual foi eleito para a Legislatura 2021-2024, no pleito de novembro último. E conforme parecer jurídico, o Poder Legislativo deve seguir os procedimentos técnicos para a condução dos trabalhos, de acordo com os preceitos do Regimento Interno. “Quando o diplomado não tomar posse na sessão de instalação, o que é este caso, poderá fazê-lo até quinze dias depois da primeira sessão ordinária da Legislatura” (RI art. 5º parágrafo 2º). A Câmara precisa pautar suas ações de acordo com a legislação vigente e em consonância com as determinações do Poder Judiciário.

Saiba mais:

Justiça autoriza e Valtão toma posse na Câmara de PG

Ministério Pùblico denuncia vereador e empresários

Justiça concede prisão domiciliar a Valtão

Empresários da Cidatec cumprirão prisão domiciliar

Valtão tem até 13 de março para tomar posse

Valtão é alvo de pedido de cassação na Câmara de PG

Em depoimento, vereador Valtão já admitiu ter recebido propina

PUBLICIDADE

Recomendados