PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Polícia Civil avança na investigação do caso Marlene

Ponta Grossa

25 de fevereiro de 2021 10:30

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Passos propõe quitar dívidas para classe de trabalhadores

CPS relata prejuízo de R$ 2,8 mi e planeja ações de retomada

Carro derruba gradil e invade imóvel após colisão

Prefeitura de PG incentiva fomento da economia circular
PG volta a ter mais de 10 mortes por covid em 24 horas
Novo decreto autoriza a realização de eventos em PG
Justiça interpela Prefeitura sobre crise no transporte
PUBLICIDADE

Casal foi preso pelo desparecimento da empresária e poderá responder por homicídio e ocultação de cadáver. Roubo de cofre teria motivado desparecimento

A Polícia Civil de Ponta Grossa cumpriu mandado de prisão, nesta quinta-feira (25), contra dois suspeitos que estão relacionados ao desparecimento da empresária Marlene Paula Acácio, que foi vista pela última vez no dia 18 de dezembro, por volta das 16h. Após deixar o seu veículo em um estacionamento no Centro da cidade, ela entrou no carro dos suspeitos e, desde então, não foi mais vista.

Os primeiros depoimentos, logo após o fato, foram do casal, familiares da vítima e, inclusive, de um ex-namorado. Segundo informações, a versão apresentada pelos suspeitos era que o encontro se deu para destrocar notebooks em razão de uma suposta negociação. Marlene, na ocasião, teria pedido para que o casal a levasse até o ex-namorado em determinada região da cidade. Porém, o encontro não aconteceu. Segundo o antigo companheiro de Marlene, ele havia chego em casa antes do desparecimento e não saiu do local em nenhum momento.

A investigação da Polícia Civil elucidou novas informações que serão importantes para o esclarecimento dos fatos. Segundo o delegado Fernando Maurício Jasinski, houve uma ocorrência de roubo na manhã do dia 17 de dezembro, em Uvaranas. Contudo, o Boletim de Ocorrência só foi registrado após intimação da vítima pela Polícia Civil.

Esta situação estaria intimamente ligada com o desparecimento de Marlene: o casal, que foi roubado por assaltantes  na situação descrita acima, apontou que eles (bandidos) queriam, exclusivamente, um cofre que seria de um parente por afinidade da empresária desaparecida. Uma das vítimas do crime apontou que os assaltantes o chamou pelo nome. Marlene, anteriormente, era responsável pelo cofre até chegar à residência do casal que foi roubado.

Na sequência da investigação, a Polícia constatou que a empresária tomou café da manhã e possivelmente teria mandado mensagem, horas antes do roubo, para a vítima, perguntando se estaria em casa. Informações contundentes, segundo o delegado, indicam que Marlene havia repassado detalhes privilegiados para o roubo do cofre.

Identificação

Jasinski aponta que há cerca de 15 dias os pertences de Marlene foram localizado em uma área rural no distrito de Uvaia, em Ponta Grossa. Com as evidências, a Polícia Civil representou pela prisão preventiva dos suspeitos e, nesta quinta-feira, cumpriu-se busca na residência do casal, no Jardim Carvalho. Ambos foram presos.

“A prisão dos suspeitos é um importante passo para a investigação que agora segue para a sua conclusão. O casal está sendo investigado pela prática do roubo agravado. Também, poderá responde pela prática de homicídio e ocultação de cadáver. As investigações seguem com o intento de localizar Marlene”, complementou o delegado. Os suspeitos, após a prisão preventiva, serão interrogados.

PUBLICIDADE

Recomendados