PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Vereador parabeniza Elizabeth por medidas econômicas

Ponta Grossa

06 de abril de 2021 21:15

Rodolpho Bowens


Relacionadas

Decisão judicial permite volta de Valtão às sessões da Câmara

Novo motor Paccar MX-13 é fabricado em Ponta Grossa

Licitação para obras do aeroporto de PG atrai três empresas

Ônibus voltam a circular nesta quinta a partir das 5h
Conheça a Saint Germain, parceira da aRedeNegócios
Hamburgueria 13 promove ação social de aniversário
Prefeitura tem até amanhã para sancionar ou vetar ‘kit-covid’
Parlamentar Paulo Balansin também criticou emenda de aumento do "Vale Mercado" para R$ 300. Foto: Divulgação/CMPG
PUBLICIDADE

Projeto de Lei foi aprovado na tarde de ontem (5) pelos parlamentares da Câmara Municipal

O vereador da cidade de Ponta Grossa, Paulo Roberto Balansin (PSD), parabenizou a prefeita Elizabeth Schmidt (PSD) pela proposta das dez medidas econômicas e sociais para a cidade ponta-grossense. O Projeto de Lei (PL) 047/2021 foi aprovado na tarde de ontem (5), durante ‘Sessão Ordinária’ da Câmara Municipal de Ponta Grossa (CMPG). Mesmo todos os parlamentares sendo favoráveis a iniciativa, uma emenda gerou ampla discussão na Casa do Legislativo.

De acordo com Paulo, a ideia dos vereadores Geraldo Stocco Filho (PSB), Joceméuri Corá Canto (PSC) e Josiane Schade Kieras (PSOL), a qual visava ampliar o valor do “Vale Mercado” de R$ 150 para R$ 300 é “inconstitucional” e que atrasaria a votação do projeto de lei. “As medidas ajudarão as famílias que não conseguem comprar comida. Se pudéssemos, daríamos um valor melhor, de R$ 500, por exemplo, mas tem gente que não pode esperar”, afirma Balansin.

O parlamentar também relatou que a quantia não estava prevista em orçamento, por isso que solicitar um valor maior seria “demagogia da oposição, politicagem e atrasaria a votação da proposta em dez dias”, afirma o vereador. Paulo também parabenizou a celeridade da Câmara Municipal em aprovar o Projeto de Lei 047/2021.

Outro lado

Segundo Geraldo, autor da emenda que aumentaria o valor para R$ 300, a votação não atrasaria os trâmites da Câmara. “A sessão poderia ser paralisada, a emenda tomaria parecer das comissões, por ser um tema de extrema urgência e aí entraria para votação com o projeto. Caso os vereadores aprovassem ou não, o auxílio manteria em R$ 150. Mas não quiseram dar oportunidade para isso”, comenta Stocco.

Os autores da emenda pretendem fazer uma moção de apelo diretamente para a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG) para a elevação do valor emergencial.

PUBLICIDADE

Recomendados